Cinco razões pelas quais as máquinas não são boas opções para o treino funcional

O trabalho com máquinas limita o movimento, a ação e recrutamento natural de vários músculos

1) O grande objetivo do treino funcional é utlizar o corpo (com as suas capacidades e limitações) através da aprendizagem de movimentos. E as máquinas onde a maior parte das pessoas passam o tempo são auto-limitativas nesse aspecto porque não permitem o trabalho de movimentos naturais / fundamentais e porque não requerem uma adaptação constante. O ambiente é sempre o mesmo. É como treinar dentro duma cabine telefónica!

2) Cada indivíduo tem diferentes proporções no que respeita ao tamanho dos seus segmentos corporais, diferentes pontos de eficiência biomecânica, diferentes comprimentos musculares, diferentes velocidades de condução nervosa e diferente tolerância muscular.

3) As máquinas não podem recriar as muitas variações de desenvolvimento de força num músculo para estimular todas as unidades motoras. No torso, por exemplo, os oblíquos têm muitos compartimentos neuromusculares que não são estimulados ao estarmos sentados.

4) A completa estimulação e treino das unidades motoras não pode ser alcançada com máquinas que limitam o movimento e que oferecem apoio e estabilidade em vários segmentos do corpo. Um programa de treino ótimo reconhece o valor da liberdade de movimento, velocidade do movimento, tipos de contração muscular (concêntrica, excêntrica e isométrica), isto só para citar algumas variáveis críticas.

5) A utilização de máquinas que restringem a amplitude de movimento em articulações específicas não só retardam a aprendizagem motora necessária para um rendimento máximo, como também podem criar padrões de movimento prejudiciais para a performance e para a prevenção de lesões.

Resumindo, o trabalho com máquinas limita o movimento, a ação e recrutamento natural de vários músculos, impedindo uma correlação positiva para a maioria das atividades diárias e desportivas.

Até para a semana  e não se esqueçam de deixar os vossos comentários!

artigo do parceiro:

Comentários