Saiba como sobreviver às calorias este Natal

Fomos às compras com a nutricionista Lillian Barros e desvendamos-lhe cinco regras para sobreviver às calorias deste natal e três receitas que o ajudarão a desintoxicar o organismo. Tudo com ingredientes biológicos.

O supermercado Brio foi a escolha da nutricionista para a realização das compras e receitas que partilhamos hoje. Em grande parte porque sempre que entramos numa 'dieta detox' com o objectivo de purificar o organismo, então temos de o fazer com alimentos livres de toxinas. Enquanto fazia as suas escolhas para as receitas que íamos desenvolver (receitas e imagens na galeria em baixo), Lillian Barros deixou-nos cinco regras para sobreviver em forma aos excessos natalícios.

1. Regra do polifacionamento de refeições: com a azáfama destes dias acontece com frequência esquecermo-nos das nossas rotinas alimentares saudáveis e acabamos por saltar refeições intercalares, passando mais de 3 horas sem comer. Deverá fazer pelo menos 5 refeições fracionadas ao longo do dia. Desta forma a nunca sentirá fome. A fome é a nossa maior inimiga aquando das escolhas ponderadas e saudáveis. Não se esqueça que o objetivo não é matar a fome mas sim prevenir o apetite!

Quando já estamos em hipoglicémia e com o apetite descontrolado então aí, comemos maior quantidade e menor qualidade. Procuramos alimentos mais ricos em hidratos de carbono de absorção rápida, como os doces e bolos que ficam expostos na mesa de natal, e daí até à asneira seguinte é um instante!

2. Planeamento:

Organize-se e planeie os eventos sociais, antecipar as dificuldades é uma regra primordial. Se for convidada/o é fundamental ir bem alimentada/o e saciada/o para não descompensar na hora da escolha. Se, pelo contrário, for em sua casa tenha sempre opções saudáveis. Quando temos o comando da cozinho torna-se mais fácil orientarmos a o que é servido. Veja algumas das opções dadas e não se esqueça que é muito mais difícil resistir quando não há, de facto, escapatória.

3. Substituição:

Se a sua maior dificuldade é resistir, por exemplo, a uma sobremesa doce no final da sua refeição, então opte por, na refeição principal, acompanhar a carne ou o peixe por vegetais variados, eliminando os hidratos de carbono ou farináceos (arroz, massa, batata), ou não consuma bebidas alcoólicas. Conseguirá minimizar o estrago, “poupar” calorias e poderá consumir uma sobremesa, sem haver tanta sobrecarga calórica. Normalmente as porções são grandes e exageradas nestas alturas. Se está em família ou entre amigos, porque não dividir uma sobremesa por duas pessoas? Conseguirá comer a sua sobremesa preferida com metade das calorias.

4. Regra das Compensações:

Equilibre o excesso de calorias ingerido ou a ingerir. Nos dias em que tiver uma festa ou uma refeição mais calórica opte por compensar os abusos nos dias que antecedem ou sucedem os eventos. Tente preferir refeições mais leves, retirar os hidratos de carbono das refeições principais e fazer um jantar leve com uma sopa de legumes variados e um queijo fresco (por exemplo), não esquecendo obviamente as refeições intercalares. Lembre-se que a sopa de legumes é normalmente pouco calórica e saciante, o que deixará menos espaço para os salgadinhos e sobremesas. Além disso, é rica em vitaminas, minerais, fibra e água.

Outra forma de compensar é aproveitar para fazer mais exercício físico nos dias seguintes (ande mais a pé e porque não aproveita para fazer um passeio em família durante os feriados).

5. Regra da Hidratação Continuada:

Quando as nossas rotinas e horários alteram é muito frequente esquecemo-nos de beber água e deixamos a hidratação para segundo plano. Nestas alturas com maior oferta de sumos, refrigerantes, vinhos, aperitivos e digestivos sobre a mesa é maior a tendência por optarmos por ingerir bebidas ricas em açúcares, álcool e consequentemente calorias (“vazias”). Não se esqueça de beber água nos dias de festa. Em alternativa pode optar por ter sempre preparadas infusões de frutas ou ervas sem açúcar para acompanhar uma tarde ou uma noite bem passada.

artigo do parceiro:

Comentários