Porta de entrada: os cuidados de saúde oral

Pasta, escova e aconselhamento certos são essenciais para uma boa saúde oral.

Os maiores problemas de saúde oral na população são os gengivais e a cárie dentária, que resultam da acumulação de placa bacteriana devido a uma higiene oral deficiente.

Manter a saúde oral é uma forma de evitar situações de dor aguda, mau hálito ou perda de dentes, que podem ter como consequência limitações em atividades diárias tão importantes como comer, falar ou sorrir.

A farmácia é o espaço privilegiado para reforçar as mensagens educativas para uma boa saúde oral.

O farmacêutico é capaz de aconselhar os produtos mais adequados para cada situação e explicar a utilização correta. É na farmácia que o utente pode procurar aconselhamento e tratamento para certas afeções orais benignas, como mau hálito, dentes sensíveis, lesões na mucosa oral, aftas ou boca seca. Por outro lado, na presença de certas patologias, o farmacêutico encaminha e encoraja o doente a consultar um médico.

O aconselhamento para as práticas de uma boa higiene oral começam nas crianças, desde o aparecimento dos primeiros dentes, e vão até aos mais idosos, com as especificidades de higiene que a utilização de próteses acarreta. O farmacêutico tem a formação para orientar os seus utentes às pastas dentífricas mais adequadas, quanto à forma correta de escovagem dos dentes, à frequência da mesma, à seleção da escova a utilizar e à utilização de produtos complementares, como colutórios, fios dentários ou escovilhões.

Texto de Helena Romão (farmacêutica)

Saiba mais na Revista Saúda

artigo do parceiro:

Comentários