O que deve saber para cuidar da sua higiene íntima

Os estilos de vida e hábitos de consumo da mulher moderna condicionam, mais do que possamos pensar, a saúde e o bem-estar da zona íntima.

A depilação, o uso de contracetivos, lubrificantes sexuais, a utilização de pensos diários, roupa interior sintética e até a roupa apertada, podem provocar alterações da pele nas zonas mais íntimas da mulher.

Para evitar os efeitos desconfortáveis provocados por estas situações, é essencial a prática de hábitos de higiene adequados e eficazes.

O banho

A vulva, a região púbica, a região perianal e a raiz das coxas devem ser lavados diariamente com água corrente para favorecer a remoção mecânica das secreções. É aconselhável a utilização de produtos adequados, fazendo movimentos que evitem trazer o conteúdo perianal para a região vulvar. Secar cuidadosamente com toalhas secas e limpas, sem esfregar, de modo a não agredir a pele.

Evitar a utilização de sprays, perfumes, talcos ou lenços humedecidos.

A hidratação

A hidratação da região genital é geralmente a mais negligenciada, mas é também importante assim como as restantes áreas do corpo. Especialmente após a menopausa, em que a pele se encontra mais seca, devem ser aplicadas na pele fórmulas não oleosas. Os hidratantes deverão ser gel ou cremes vaginais de base aquosa, com pH ácido e compatíveis com a mucosa vaginal.

Proteção diária

O uso sistemático do penso higiénico diário não é recomendado. Nas mulheres com excesso de transpiração ou incontinência urinária, é importante manter o ambiente genital seco recorrendo ao uso de pensos higiénicos respiráveis (sem película plástica) ou outro vestuário absorvente adequado.

O vestuário

Trocar de roupa interior diariamente é fundamental.

Roupas demasiado justas ou apertadas são de evitar. Os fatos de banho molhados e o vestuário após o desporto devem ser trocados assim que possível.

Atividade sexual

Nos casos em que existe secura e irritação durante o acto sexual, é recomendado o uso de um lubrificante sem substâncias químicas. O uso de preservativo, evitando o contacto do esperma com os genitais, diminuindo o ardor e irritação após a relação sexual.

Após ato sexual, lavar a área genital externa com água e produto de higiene íntima. Não se recomendam lavagens vaginais.

A menstruação

Nesta fase, a higiene deverá ser mais frequente, para aumentar a remoção dos resíduos e melhorar a ventilação, com consequente redução da humidade prolongada. Sangue menstrual, maior produção de secreção sebácea e suor e o uso prolongado de pensos higiénicos com película plástica externa são factores agravantes da irritação genital. Os tampões podem ser utilizados com segurança, desde que mudados com frequência.

Pós-atividade física

Fazer a higiene dos genitais logo após as atividades físicas, para evitar que o suor irrite a pele da vulva.

Depilação

A depilação da área genital deverá respeitar a sensibilidade individual da mulher. A frequência deverá ser a menor possível, e a extensão da área depilada dependerá do gosto de cada mulher. Uma boa opção será aparar o pelo púbico sem rapar.

artigo do parceiro:

Comentários