Hidratar por dentro e por fora. Será que sabe mesmo fazê-lo?

Ter as nossas células devidamente hidratadas é uma condição fundamental para ter uma boa saúde. Leia os conselhos de António Soares Neto, naturopata e diretor das Clínicas Em Forma.

Se o nosso organismo é composto maioritariamente por matéria liquida, cerca de 65% e apenas 30 a 35% de matéria sólida, então porque damos mais importância ao que comemos na forma sólida do que ao que bebemos na forma líquida?

Muitas pessoas dizem que só bebem água quando têm sede. É um erro! Isto porque a sede é um sinal de alerta, que quando aparece quer dizer que o organismo já se encontra em descompensação, ou seja, já existem níveis hídricos alterados. Costumo dizer que nós somos como os rios, quanto mais água passa por nós melhor nós estamos. Assim é connosco e assim é com os rios que se mantêm mais saudáveis e ativos quando sobre eles corre muita e boa água.

Há certas pessoas que dizem: “se eu beber muita água sobrecarrego o organismo nomeadamente os rins”. Nada de mais errado! Os rins e outros órgão sofrem sobrecarga precisamente se a ingesta de água for baixa, porque aí todos os fluidos orgânicos têm uma densidade aumentada, exigindo maior esforço dos órgãos na sua filtragem e regulação. A quantidade de água a ingerir diariamente depende de pessoa para pessoa, da sua atividade e das condições ambientais.

Não gosto nada de generalizar nem de criar bitolas iguais para todos quando é sabido que todos somos únicos e diferentes, mas dito isto acho que se deve beber sempre mais de 1 litro de água por dia, ao qual se deve adicionar a ingesta de outros alimentos com elevado teor de água como sopas, chás e tisanas. Este valor deve ser reforçado em caso de condições climatéricas adversas ou de atividade que o justifique.

Portanto a conclusão é simples: beba água pela sua saúde. Mas não chega beber água. Para estar hidratado é fundamental hidratar a pele. Na nossa civilização a pele sofre muitas agressões de agentes químicos e adstringentes que muitas vezes nem nos passa pela cabeça.

Se soubéssemos verdadeiramente a composição e origem da maioria dos produtos de higiene e dos cosméticos que usamos, ficaríamos horrorizados - desde metais pesados a derivados de petróleo, há de tudo um pouco.

Temos por hábito tomar banho diário. Será que é um bom hábito?

Do ponto de vista de higiene e bem-estar sim, do ponto de vista do equilíbrio da pele e do seu ph não.

A toma de banho diário com produtos tipo sabonete ou gel de banho cria uma erosão micro celular de descamação, que desequilibra a pele e a fragiliza na sua função de barreira protetora do organismo. Usar produtos menos agressivos e usar menos quantidade diária de gel ou sabonete pode ser importante para o equilíbrio da pele.

Quanto aos produtos de cosmética vou citar a médica Yael Adler, dermatologista que no seu livro "O fascinante mundo da pele" afirma: “a maior parte dos produtos de beleza tentam imitar aquilo que a pele já faz e acabam por só trazer problemas… Os cremes, cheios de químicos, são soluções desnecessárias para combater esses desequilíbrios”.

A maioria dos cremes dito hidratantes o que fazem é uma barreira hidrófila nas camadas superficiais da pele, em nada contribuindo para a hidratação celular da mesma, mas dando uma aparência melhorada que engana parecendo ter melhorado a hidratação do órgão. Alguns deles até contribuem para agravar a falta de água celular, porque fazem uma agregação da água da pele e alguma retirada de dentro das células, ou seja, melhora o aspeto, mas piora o teor hídrico celular.

No verão deve-se hidratar a pele, para que ela tenha um melhor equilíbrio e desempenhe melhor as suas funções protetoras do organismo, mas também para que mantenha a elasticidade, o equilíbrio e a boa aparência; e para prevenir situações de degradação futura nomeadamente aparecimento de rugas, flacidez e papinhos (de todo inestéticos).

Um artigo de António Soares Neto, naturopata e diretor das Clínicas Em Forma.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários