É pessoa de adiar sempre as coisas? Pode ser doença!

Agora, não me apetece, faço isto mais logo ou amanhã. O pensamento é-lhe familiar? A procrastinação atinge cerca de um quarto da população mundial. Veja o que pode fazer para a combater

Não gosta de tomar decisões e faz constantemente tudo o que pode para as adiar? E, com as tarefas do dia a dia, passa-se o mesmo? Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje. Já diz o ditado e com razão, porque não é raro adiarmos as tarefas mais desagradáveis. Até certo ponto é normal mas, quando esta atitude se repete frequentemente, é porque estamos perante um problema chamado procrastinação e que consiste em adiar responsabilidades de forma sistemática. Um problema que afeta cerca de 25% da população mundial.

Se costuma usar expressões como «Amanhã trato disto», «Tenho de fazer isto mas antes vou ler os meus e-mails», «Vejo isso quando tiver tempo»,  «Faço isso quando regressar» ou «Vou deixar para uma altura melhor», é muito provável que também integre essa estatística. Aproveite para fazer, agora, essa análise e, se considerar que integra o grupo de risco, tome nota dos três comportamentos que deve adotar para combater essa situação e resolver assuntos que poderá ter atualmente pendentes:

1. Analise por que motivo adia tudo

Na melhor das hipóteses, não se trata da tarefa em si mas da forma como a deve abordar. Não pense «Tenho de...». Pense antes «Vou fazer e já...». Se se habituar a não deixar para depois, com o tempo essa interiorização passará a ser automática.

2. Anote as suas tarefas e dê-lhes prioridades

O recurso a uma listagem permite-lhe não esquecer algumas tarefas que podem ser importantes. Se não consegue concluir a primeira, passe à seguinte, não fique bloqueado. Verifique regularmente essa lista para ir eliminando tarefas.

3. Defina um horário

Respeite a ordem estabelecida e dedique o tempo que definiu para cada tarefa. Se for complicada, divida-a em subtarefas. Se dispõe apenas de uma hora e tem quatro coisas para fazer, tente não demorar mais de 15 minutos em cada uma delas.

artigo do parceiro:

Comentários