Mas, afinal, por que choramos?

Existe toda uma ciência por detrás do choro, esse companheiro de muitas horas. Saiba o que as investigações científicas têm descoberto sobre o efeito protetor, a nível físico e psicológico, das lágrimas

Não há ninguém que já não tenha derramado umas quantas. Deixam-nos sem palavras. Todos os gestos parecem desajeitados e inúteis quando as lágrimas inundam o rosto de alguém que gostamos. Procuramos lenços de papel dentro da mala e tentamos desesperadamente secar o sofrimento que inunda o cenário, como se o simples facto de limparmos os vestígios de água pusesse fim à dor de alguém. Queremos que esse momento se evapore, pois sentimo-nos incomodados perante aquilo que é, afinal de contas, uma das coisas mais naturais do mundo. E muito necessária! Mas, afinal, por que choramos? 

Este é um enigma antigo que tem fascinado os investigadores um pouco por todo o mundo. Alguns deles resolveram fazer contas às lágrimas que vertemos ao longo da vida e explicam-nos este fenómeno universal. Salvo algumas espécies muito raras de elefantes indianos ou de gorilas africanos, o homem é o único animal capaz de chorar quando as emoções o dominam, sejam estas a tristeza, o medo ou até a alegria. William Frey, bioquímico no Ramsay Dry Eye and Tear Research Center, nos Estados Unidos da América, tentou descobrir por que choramos e deparou-se com ainda mais perguntas do que as que tinha inicialmente.

Uma coisa é certa. Cerca de 85 por cento das mulheres, que este investigador inquiriu, revelou que se sentia muito mais tranquila depois de chorar e 75 por cento dos homens é da mesma opinião. Mas, mais do que um mero efeito libertador, William Frey apurou que chorar permite ao corpo expulsar, através das lágrimas, substâncias químicas que o organismo produz quando submetido a situações de stresse. Logo, trata-se de um ato que nos é benéfico e que pode até ser interpretado como um mecanismo de defesa do corpo e dos próprios olhos, já que as lágrimas formam uma película que os lubrifica e protege-os contra agressões externas.

Mulheres na liderança do choro

Fomos treinados para chorar. Um bebé chora porque tem fome, sede, dores, porque quer colo ou, pura e simplesmente, para chamar a atenção daqueles que o rodeiam. Será possível quantificar todas as vezes que um bebé chora? Pode pensar que não, mas uma equipa de cientistas italianos levou a cabo esta missão impossível, concluindo que um recém-nascido chora, em média, de 30 em 30 minutos, o que perfaz o total de cerca de duas horas diárias. À medida que vamos crescendo, as sessões de choro vão-se tornando mais espaçadas, felizmente.

E até à puberdade, não existe grande diferença, no que toca à periodicidade, entre ambos os sexos. Porém, a partir daqui e, por volta dos 18 anos, já é possível constatar lágrimas distintas. Uma das teorias para esta disparidade pode residir nas diferenças hormonais que existem entre o homem e a mulher. Ninguém conseguiu ainda descobrir qual é o papel do estrogénio na produção de lágrimas, mas os dados sugerem que a prolactina, uma hormona que fomenta a secreção do leite e controla o equilíbrio dos fluidos, pode desempenhar um papel protagonista neste processo.

A questão é que, precisamente aos dezoito anos, a mulher produz cerca de 60 por cento mais prolactina do que o homem. Os dados científicos permitiram apurar que um adulto chora, em média, cinco minutos, três ou quatro vezes por mês. Surpresa das surpresas, as mulheres choram cinco vezes mais do que os homens e durante mais tempo. Os números revelam que elas atingem, em média, os seis minutos, contra quatro para eles. E, se esta era já uma suspeita, eis a prova que faltava.

Veja na página seguinte: 5 curiosidades sobre as gotas mais humanas que conhecemos

Comentários