Herdade das Servas

As vinhas que remontam há várias gerações e duas talhas de barro datadas do séc. XVII fazem parte da história da família Mira, em Estremoz.

Os irmãos Luís e Carlos Mira receberam um legado que souberam converter para o séc. XXI. Nesta quinta há memória da produção de vinho pela família há diversas gerações. Aliás, o bisavô materno foi o fundador e primeiro presidente da Adega Cooperativa de Borba. Por outro lado, o avô paterno criou a Sovibor, uma das primeiras empresas particulares para produção de vinhos no Alentejo.

Mas só em 2001 a empresa se autonomizou para figurar entre os grandes produtores de vinhos alentejanos. É o resultado do trabalho e investimento feito pelos dois irmãos, com a ajuda do enólogo Tiago Garcia. Em homenagem ao Convento de freiras das Servas de Deus, próximo de Estremoz, a herdade passou a chamar-se das Servas e aposta agora fortemente nas castas autóctones portuguesas, com destaque para a Touriga Nacional. Os monovarietais de qualidade como este parecem encontrar uma procura crescente por parte dos consumidores. No caso, o Touriga Nacional da Herdade das Servas tem ganho sucessivas distinções em concursos nacionais e internacionais, como a medalha de ouro no Wine Master Challenge (2003) ou no Concurso de Vinhos ACIC (2005), por exemplo.

Os vinhos que daqui saem são categorizados em três categorias: Vinha das Servas (Tinto e Branco), para o dia-a-dia; Monte das Servas, (Tinto, Branco e Rosé Colheita Seleccionada e Escolha) para consumidores exigentes; e Herdade das Servas (Tinto), para momentos especiais. Estes apresentam-se com mais estrutura, devido à idade das vinhas, algumas já com 55 anos, merecendo uma espera de alguns anos antes de abrir a garrafa.

Outra aposta da Herdade das Servas é o enoturismo. À entrada, o visitante depara-se com um mostruário das castas mais utilizadas na região: Trincadeira, Aragonês, Syrah, Cabernet Sauvignon, Touriga Nacional e Touriga Franca, nos tintos; Roupeiro, Arinto, Antão Vaz, Alvarinho, nos brancos, entre outras. “A impressão digital das castas é a folha”, explica Luís Mira. A visita prossegue com uma incursão às vinhas, à moderna adega com as suas cubas de aço inoxidável, terminando na cave, com as barricas a exalarem o seu cheiro característico. Na loja, é possível provar e comprar os vinhos aqui produzidos. O restaurante, de ambiente sereno e acolhedor, com capacidade para 80 pessoas, completa a oferta da Quinta. A gastronomia tradicional alentejana harmoniza na perfeição com estes vinhos, embora a Herdade das Servas convide, de vez em quando, chefes de cozinha inspirados noutros sabores. Na altura desta reportagem foi Augusto Gemelli a conceber um almoço para acompanhar os Touriga Nacional de 2003, 2004, 2005, 2006 e 2008 (este ainda não comercializado).

Uma curiosidade: vinhos à volta da música

Depois do êxito do tinto Amália 2006, a Serrano Mira continua a homenagear outras figuras musicais portuguesas. O Herdade das Servas Tinto Reserva 2006 foi lançado em simultâneo com o álbum “Virar a página” dos Anjos.

 

Herdade das Servas

Estrada Nacional 4

Estremoz

enoturismo@herdadedasservas.com

http://www.herdadedasservas.com

 

Ana César Costa

artigo do parceiro:

Comentários