Comer às escondidas

O movimento internacional em torno da boa cozinha e convívio tem um nome: “Underground”. Porquê? São jantares públicos que decorrem em casas particulares. Lisboa já aderiu.

É um daqueles casos onde podemos afirmar sem margem para erro que o “segredo é a alma do negócio”. Uma fórmula secreta que se faz com uns quantos ingredientes: refeição caseira (por vezes temática), circunscrita a inscrição prévia, condição para se saber as coordenadas certas do evento, normalmente uma sala de jantar particular transformada em restaurante. Os restaurantes “Underground” (ou também supper clubs), são um movimento internacional que diz não aos espaços de restauração convencionais e que há uns quantos anos, com a cumplicidade de alguns chefes (e não só), atingiu a Europa e os Estados Unidos. 

Agora, “comer às escondidas” também conquistou Portugal. Em Lisboa, o Kome Escondido é um exemplo deste estar à mesa envolto num “pssss” às conversas em voz alta. À frente desta iniciativa está Yuko Yamamoto, uma japonesa, natural de Osaka, com passagem pela Catalunha e radicada na capital portuguesa há alguns anos. Os jantares promovidos pela sushiwoman Yoki decorrem duas vezes por mês e compõem-se, normalmente, por 10 pratos de cozinha japonesa. As inscrições são abertas a 16 pessoas (que contribuem com cerca de 20,00 euros, cada) sentando-se à mesa em pequenos grupos. Só após inscrição, os comensais são informados do local exato do jantar, num andar na Avenida Almirante Reis.

A atividade de Yuko Yamamoto espraia-se pela vertente eventos, com serviços de casamento, aniversário, festas privadas e eventos empresariais. Para quem quer aprender a arte do Sushi, Yoko também ministra cursos (25 euros por lição).

Tel. 910 925 700
E-mail: yukolisboa@gmail.com

artigo do parceiro:

Comentários