ABC da doçaria de origem conventual

Papos de anjo, barrigas e beijos de freira, arrufadas, jesuítas. O céu desce à terra sob a forma de doçaria. Divinal!

Conheça algumas das especialidades saídas das cozinhas conventuais portuguesas. A maior parte das receitas são criações de frades e freiras a partir das enormes quantidades de açúcar e ovos que chegavam aos conventos, juntando-se geralmente a amêndoa ou outros frutos. Por vezes, as receitas tinham origem nas famílias aristocráticas de onde provinham os segundos filhos sem herança, quase todos destinados a uma vida de clausura. Outras foram reproduzidas e adaptadas cá fora por antigos trabalhadores dos conventos, tornando-se típicas de determinada região.

Alfitetes: Especialidade do Convento de Santa Clara de Évora. Pequena forma de folheta, onde vai ao forno uma espécie de pastéis. O doce conserva-se num pratinho de barro vidrado com bordo alto.

Alforges de rebuçados: Saco adornado em forma de aljava, às vezes fechando na parte superior, em bolsa de seda lavrada, por meio de cordões.

Alfélua: Pasta de melaço em ponto forte, de maneira que fica alva depois de manipulada, reduzindo-se ao feitio de umas varetas torcidas.

Alfenim: Massa de açúcar que levava ao ponto em que se torna branca e com a qual se formam diferentes figuras.

Aletria: Doce de aletria cozida em água e açúcar e distribuída em travessas ou pequenos pratos, ornamentados com desenhos feitos com canela.

Almendrados: Doce de amêndoas e farinha de trigo envoltos em hóstia.

Amarelos: Doces de ovos, especialidade de Viseu.

Arroz doce: Doce de arroz, leite, açúcar e, por vezes, gemas de ovos, proveniente do Norte de Portugal.

Arrufadas: Pão doce, especialidade de Coimbra.

Barrigas de Freira: Doce feito de bolacha, açúcar e ovos.

Beijos de Freira: Especialidade do Convento de Santa Clara de Vila do Conde.

Beilhosas: Bolo de bolina ou abóbora.

Biscoita: Biscoito do Algarve.

Biscoito de limão: Especialidade de Valongo com a forma de S.

Biscoito de milho: Especialidade de Valongo com a forma de pequenos charutos.

Biscoito de Teixeira: Doce de romaria oriundo da região do Porto. Com acentuado sabor a limão, tem a forma de biscoitos vulgares, mas ligados uns aos outros formando pastas.

Biscoltelas: Especialidade de Vila Viçosa.

Bolinhol: Especialidade minhota. Espécie de pão-de-ló coberto de açúcar, quase sempre rectangular.

Bolinhos de amor: Especialidade de Penafiel.

Bolos de gema: Bolos feitos com massa de pão-de-ló cobertos de açúcar, vulgares nas romarias do Norte de Portugal.

Bolo real: Especialidade de Évora.

Bolo de D. Rodrigo: Especialidade de Tomar.

Bolo de Mel: Especialidade da Madeira.

Bolo Podre: Pão doce com muitas especiarias.

Bolo de São Gonçalo: Especialidade de Amarante.

Boroas de brancas: Especialidade de Vila Viçosa.

Boroas de milho: Especialidade de Lisboa. Presente que os padrinhos davam aos afilhados pela Páscoa.

Cãezinhos: Doce de romaria, feito de farinha, coberto de banha e açúcar. Especialidade de São João de Ovir.

Caladinhos: Especialidade de Vila da Feira.

Canudo de ovos: Especialidade de Viseu, com fabrico na Confeitaria de Maria Adelaide Santa Rita.

Capelos: Especialidade de Coimbra. Tem forma de capelo doutoral e recheado de vários doces de ovos e frutas. O doutorando costumava mandar fazer três capelos, sendo um em ponto grande destinado ao Reitor da Universidade e dois mais pequenos destinados aos oradores oficiais da cerimónia de doutoramento.

Caramujos: Doce de folhado grosseiro com configuração de búzio recheado de creme de ovos.

Casadinhos: Especialidade de Amarante.

Castanhas de ovos: Uma das formas mais vulgares de doces de ovos.

Cavacas: Biscoito leve e duro com banho de açúcar. Especialidade de Amarante e Resende.

Cavalinhos: Variante dos cãezinhos. Vendem-se nas romarias dos arredores da cidade do Porto.

Celestes: Especialidade de Viseu.

Chocolates de ovos: Especialidade de Viseu.

Conselheiro de ovos: Especialidade de Viseu.

Cordeiros de ovos: Especialidade do Convento de Santa Clara do Funchal, fabricados por altura do dia de São João.

Coscorões: Filhoses de farinha e ovos.

Corintos: Especialidade de Arouca.

Covilhetes: Massa com açúcar, ovos, manteiga e vinhos que se faz em bolinhos dispostos em camadas, sobre os quais se coloca galinha, carneiro, etc.

Cuscuz doces: Doce feito de grânulos de farinha.

Doce de buraco: Especialidade de Águeda, que consiste em pão doce com uma abertura no centro, semelhante ao pão-de-ló.

Doce de cama: Especialidade de Tomar.

Doce de chila: Especialidade do Porto, oriundo do antigo Recolhimento do Ferro, hoje Recolhimento de N.ª Sr.ª do Patrocínio.

Doce de limão: Especialidade de Penafiel.

Doce de ovos: Especialidade de Aveiro. Doce de ovos envolto em massa de açúcar com diversas configurações obtidas de forma.

Doce de raiz de encursioneira: Especialidade de Évora.

Esquecidos: Certa espécie de bolos.

Fartes: Bolo de açúcar e amêndoas envolto em farinha. Bolos que contêm creme.

Fatias da China: Especialidade de Tomar.

Filhoses: Colos de farinha e ovos, feitos em azeite e passados por calda de açúcar. Podem tomar a forma de hexagrama se forem feitos com o molde tradicional. Doce típico do Natal.

Flor de ginja: Doce de ovos, especialidade de Viseu.

Fofos: Especialidade de Vouzela.

Fogaças: Grande bolo. Antigamente dava-se este nome à oferta de comestíveis para baptizados ou casamentos. Especialidade de Vila da Feira, onde a Festa das Fogaças é em louvor de S. Sebastião; e de Pombal, onde se celebra a Festa da Fogaça no primeiro domingo de Agosto. Conta a história que no ano de 1362 houve uma peste em todo o concelho de Pombal, principalmente na vila de Abiúl, que dizimou parte da população. Um abastado lavrador prometeu fazer uma grande festa para que o mal cessasse. Na vila existia um grande forno que se acendia sexta-feira e ardia até domingo, no que se empregava 13 carradas de lenha e se metia uma fogaça de 12 alqueires de trigo. Uma pessoa devidamente confessada e sacramentada ia meter o bolo dentro do forno.

Foguetes: Especialidade de Amarante.

Galhofas: Especialidade de Amarante.

Geleia: Extracto mucilaginoso (espécie de líquido viscoso que se encontra em quase todos os vegetais) de substância animal ou vegetal, que pelo resfriamento adquire consistência branda e trémula.

Jesuítas: Doce folhado com forma aproximada do chapéu dos padres jesuítas.

Ladrilhos: Nome dado aos quartos de marmelada no Norte de Portugal.

Lambaretes: Doce feito de massa de pão-de-ló, à venda em tiras de papel.

Lâminas: Especialidade de Pinhel.

Lampreia de ovos: Especialidade de Coimbra. Vendem-se em caixas de diversos tamanhos adornados com papel de cor.

Laranjas doces: Especialidade de Barcelos. Algumas são recheadas com doce de chila.

Leitõezinhos: Especialidade de Évora.

Leite crespo: Especialidade monástica.

Lérias: Especialidade de Amarante.

Maçarocas: Especialidade dos Açores. Doce com a configuração das espigas do milho.

Malassadas: Certa qualidade de doce usado na Madeira, pelo Carnaval.

Manjar Branco: Ou manjares de Santa Clara, especialidade do Convento de Santa Clara do Porto. Doce com a forma de pequenos cones, tendo o vértice torrado no forno. Eram vendidos à tarde pela cidade em tabuleiros cobertos com toalhas.

Manjar imperial: Doce de travessa à base de farinha de arroz, leite, açúcar e ovos.

Manteigueiras: Especialidade de Vila Viçosa.

Marmelada: Doce de marmelo cozido e passado por peneira de seda misturado com calda de açúcar.

Massapão: Bolo de amêndoa com farinha, ovos e açúcar.

Meias-luas: Especialidade do Convento de Santa Clara de Vila do Conde. Semelhante aos antigos pastéis de Coimbra que se vendiam na cidade do Porto.

Melindes: O mesmo que bolo de gema.

Mexidos: Doce típico do Natal nas regiões do Douro e Minho. É feito com pão cortado, mel e casca de limão.

Morcelas: Doce com a forma de um chouriço. Especialidade do Convento de Arouca.

Mulsa ou Mulso: O mesmo que água-mel.

Nougat: Doce feito de nozes, amêndoas ou pinhões, misturado com mel.

Ovos moles: Especialidade de Aveiro.

Ouriço: Doce de ovos, especialidade de Viseu.

Paciências: Doce seco do tamanho de uma moeda.

Pão-de-ló: Especialidade de Margaride (Felgueiras).

Pão Celeste: Especialidade de Ovar.

Papos de Anjo: Antiga especialidade de doce.

Pastéis de Coimbra: Especialidade do Convento de Santa Clara. São pastéis folhados com a forma de crescente. Vendiam-se antigamente pelas ruas da cidade do Porto, ao domingo à tarde, dentro de pequenos tabuleiros cobertos com uma toalha ou então, mais vulgarmente, dentro de um pequenino baú de folha.

Pastéis de nata: Massa de farinha em forma de pequena tigela contendo creme. São cozidos no forno.

Pastéis de feijão: Especialidade de Torres Vedras feita à base de feijão branco.

Pastéis de Santa Clara: Pastéis folhados com creme de ovo. Especialidade do Convento de Santa Clara do Porto.

Pastéis de Tentúgal: Especialidade de um convento de freiras que existiu nesta vila.

Passarinhas: Doce de romaria grosseiro, feito de farinha de trigo e com banho de açúcar.

Pencas: Especialidade de Coimbra, tem a forma de pirâmide e a massa é a do manjar branco.

Pingo da Tocha: Especialidade de Coimbra, doce de ovos.

Pinhoadas: Especialidade de Alcácer do Sal, de origem moura. Pinhões e mel estendidos sobre papel formando pastas.

Pitas: Variante de passarinhas.

Príncipes: Modalidade de doce de ovos, especialidade de Viseu.

Queijadas: Pastel baixo e cilíndrico, feito de leite, ovos, queijo, açúcar e massa de trigo. Especialidade de Sintra.

Queijo do céu: Especialidade de Coimbra, à base de doce de ovos.

Rabanadas: Fatia de pão de trigo que, depois de se embeber em leite e ovos, se frita em azeite. Serve-se com molho de açúcar ou mel. Especialidade do Natal.

Raivas: Doce seco em forma de S.

Sequilho: Bolo seco e simples.

Sonhos: Bolos de farinha e ovos, fritos em azeite e manteiga e passados por calda de açúcar.

Sopapos: Especialidade de Torres Novas.

Suspiros: Especialidade do Convento de Odivelas.

Saudades de Lisboa: Nome que antigamente se davam no Porto às boroas de milho.

Talhada de príncipe: Massa de arrufada ou de pão-de-ló com ovos, especialidade de Coimbra.

Tigelada: Doce especial contido em tigela.

Torrão Branco: Especialidade alentejana.

Tortas: Espécie de pastelão de massa de farinha de trigo e picado de carne, polvilhado com açúcar. Especialidade de Braga.

Velhotes: Espécie de pão doce vulgar nas romarias dos arredores do Porto.

artigo do parceiro:

Comentários