Os recursos silvestres alentejanos recuperam o seu lugar à mesa

O perfume intenso das ervas e a simplicidade dos ingredientes da terra já não são apenas um segredo bem escondido do Alentejo. À medida que a gastronomia regional ganha fama, os produtores fazem valer os seus tesouros em propostas irresistíveis.

A alfarroba tem sido utilizada seca ou torrada, não só como perfeito substituto do chocolate, mas também como espessante, estabilizante e emulsionante na indústria alimentar. O mel biológico alentejano revela toda a riqueza da flora associada ao montado. Os cogumelos silvestres, nomeadamente silarcas, tortulhos e túberas, são muito consumidos localmente. Entre as ervas, há os popularizados tomilho e alecrim, entre outros não tão conhecidos fora da região, mas ricos em sabor e em tradição, como o poejo, a hortelã da ribeira, a esteva, o sargaço, a arruda e a segurelha.

Nas costas da serra algarvia são também apreciados os medronhos, usados essencialmente na produção de aguardente, mas com uma frescura e doçura inesperados quando consumidos frescos; ou os figos-da-índia, também chamados de pera espinhosa, que nascem de um cato tradicionalmente usado para manter os animais selvagens afastados dos pastos.

Numa altura em que muitas famílias, por motivos económicos, recuperam receitas e modos de fazer ancestrais, vários produtores dão provas do seu empreendedorismo aumentando a atratividade desses conceitos, com uma aposta clara na inovação e na qualidade.

O resultado está visível na Rota dos Recursos Silvestres, um projeto de quase três anos de trabalho e que tem como objetivo promover e valorizar os produtos nascidos num território que abrange Almodôvar, Barrancos, Beja, Mértola, Moura, Ourique, Serpa e Vidigueira. No passado dia 14 de novembro, a ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, S.A. – organizou um seminário de gestão com os 15 produtores associados, que culminou numa demonstração de cozinha ao vivo com o chefe António Nobre (ele próprio um orgulhoso alentejano), no Fórum Cultural de Almodôvar - Convento da Nª Senhora da Conceição.

Curiosamente, o final deste percurso da Rota dos Recursos Silvestres coincide com o mês em que a gastronomia alentejana é tema de reportagem na conceituada revista Saveurs.

 

Veja aqui algumas das receitas criadas por António Nobre para a Rota dos Recursos Silvestres:

Creme de couve-flor com salteado de cogumelos silvestres

Feijão branco com bacalhau e tengarrinhas 

Lombinho de porco de raça alentejana recheado com azeitonas pisadas, migas de poejo com linguiça e salada de laranja

Migas doces de chocolate com pão alentejano

 

Ana César Costa

artigo do parceiro:

Comentários