Azeites do Alentejo com selo «IG»

A sigla «IG» (Indicação Geográfica), atribuída pelo Governo ao azeite de qualidade produzido no Alentejo por cinco produtores, aguarda ainda o «P» de Protegida, que deverá ser atribuído pela Comissão Europeia.

Foi ao som dos cantares alentejanos do Grupo de Ceifeiros de Cuba que foi apresentado, no passado dia 4 de abril, o reconhecimento pelo Governo português dos Azeites do Alentejo que cumprem as regras constantes no Caderno de Especificações do pedido de IGP

Os azeites suaves, frutados e aromáticos das marcas Saluquia, Cortes de Cima, Relíquia da Vidigueira, Quinta de Nossa Senhora das Neves e Herdade de Cotéis passam agora a ostentar no rótulo a designação «IG» e «Azeites do Alentejo». A Indicação Geográfica “garante a origem, qualidade e características destes azeites”, explicou ao Sabores Gonçalo Morais Tristão, da CEPAAL - Centro de Estudos e Promoção doa Azeites do Alentejo.

Por enquanto, são apenas 5 os produtores envolvidos, mas “queremos certificar toda a produção tradicional”, assegura o responsável, que sublinha que “não figuram as variedades de azeitona espanholas, que têm sido muito usadas ultimamente”. Só as variedades autóctones (Galega, Cordovil, Cordovil de Serpa, Cobrançosa) são utilizadas nestes azeites.

A qualificação dos Azeites do Alentejo teve início em 2004, num processo de quase uma década que, segundo os responsáveis, vem reconhecer a preferência dos consumidores e a forte ligação do produto à região.

artigo do parceiro:

Comentários