Adeus pizzaiolos, olá pastaias

Os amantes da gastronomia italiana têm mais um restaurante a não perder em Lisboa, agora sem pizzas. No La Pasta Fresca, as massas são feitas no dia, seguindo as receitas genuínas. E podem ser levada para casa.

Desde que abriu, no início do verão de 2015, este espaço tem dado que falar. É verdade que “em Itália há lojas pequenas que vendem massa assim”, como explica Stefania Raiola, mas em Portugal ainda não havia nenhum restaurante especializado em massas frescas – tagliatelle, spaggetti, macheroni, ravioli, mezza luna e outras – que tanto podem ser consumidas no local como levadas para cozinhar em casa. Simples ou recheadas, brancas ou com tinta de choco, beterraba ou tomate “para dar uma corzinha”, a pasta fresca conquistou já uma legião de adeptos. As massas começaram por ser feitas por Giuseppe, marido de Stefania. Mas a procura foi tal que contam, desde há umas semanas, com o apoio da “pastaia” Orietta Sarti, que, como o nome indica, é especialista em fazer pasta.

La Pasta Fresca

Depois há os molhos – de tomate, napolitano, bolognese… Também eles poderão ser vendidos em caixinhas individuais para levar para casa e acompanhar cada massa.

A última novidade é o ravioli recheado com figo e presunto, que fica uma delícia quando envolvido no molho de queijo e nozes. Stefania está lá para explicar que tipo de molho combina com cada variedade de pasta: “Há uma engenharia, digamos, para cada recheio”, diz a proprietária, ela própria uma antiga engenheira da FIAT. Não é à toa que as amêijoas devem ser servidas com spaghetti ou a bolonhesa com tagliatelle. Há massas que “agarram” melhor o molho, como o caserecce, curto e enrolado; outras que o deixam escorregar, como o mais conhecido spaghetti, tendo como resultado a conjugação perfeita de sabores e texturas. Por outro lado, as receitas aqui confecionadas são as genuínas. A carbonara é feita com ovo, queijo pecorino e guanciala, recusando-se as natas que abundam em tantos restaurantes.

La Pasta Fresca

O capítulo do ravioli (ou mezza luna, numa versão um pouco maior) é outro mundo: pode ser recheado com entremeada, salsicha fresca e batata, ricotta e espinafre, abóbora…Mais uma vez, deve haver critério na escolha do molho – o clássico tomate é demasiado ácido para o sabor delicado e adocicado do recheio de abóbora, por exemplo. “Mas pode levar queijo curado de Azeitão”, sugere Stefania.

A par da linha de gastronomia tradicional, o casal esforça-se por introduzir alguma inovação nos pratos. Surgem à mesa saladas coloridas, arroz azul (confecionado com Blue Curaçao), um ninho de melão com massa negra, morangos e camarão picante, para os mais aventureiros.

La Pasta Fresca

Nas sobremesas, o chocolate domina. Seja na mousse de chocolate com coração de laranja, seja no ottoveli, inspirado no setteveli, uma especialidade de Palermo. Mas é sem dúvida o bolo caprese, sem farinha e que mistura chocolate e amêndoa em quantidades generosas, feito por Giuseppe, que rouba todas as atenções.

La Pasta Fresca

Avenida 5 de Outubro 186, Lisboa

 Ana César Costa

artigo do parceiro:

Comentários