A criatividade está ao rubro nos restaurantes do Sana

O grupo Sana Hotels está a apostar cada vez mais na gastronomia. O resultado mostra verdadeiras obras de arte em cada prato.

Sendo um dos mais dinâmicos grupos hoteleiros portugueses, o Sana não se dedica apenas a abrir hotéis (e está prestes a abrir o 14º em território nacional). O objetivo é fazer de cada um deles um local capaz de proporcionar experiências inesquecíveis aos hóspedes e visitantes. A gastronomia é um dos principais atrativos para quem viaja e o Sana preocupa-se em encontrar os melhores chefes de cozinha para gerir os vários restaurantes de cada hotel.

Assim, o encontro entre Patrick Lefeuvre (Flor-de-Lis – Epic Sana Lisboa), Frederic Breitenbucher (River Lounge – Myriad) e Luis Mourão (Al Quimia - EPIC SANA Algarve Hotel), para um showcooking veio provar que aposta está ganha. Os dois chefes franceses saíram de Lisboa com a mala do carro carregada de pratos, utensílios e algumas preparações culinárias, para irem ao encontro do colega português a trabalhar no novo resort na praia da Falésia.

O principal restaurante do EPIC SANA Algarve Hotel chama-se Al Quimia e não é por acaso. A cozinha de Luís Mourão é como um laboratório de criatividade onde os produtos fresquíssimos, quase todos regionais, chegam à mesa transformados em pinturas vivas. Apaixonado pelo mar, o chefe que já passou pelas Pousadas de Portugal, Bica do Sapato e Convento do Espinheiro acaba de ver o seu novo espaço ser distinguido como “Revelação do Ano” pelo Guia Boa Cama Boa Mesa do Expresso. Luís Mourão é capaz de combinando técnicas da cozinha molecular com um forte apelo visual, que resultam naqueles pratos que até hesitamos em desfazer, de tão bonitos que são. Mas uma vez começando, o paladar é o sentido mais recompensado.

Se a descrição de “ostras da Ria Formosa, vinagre balsâmico sobre terra de azeite, vieira crestada com puré de batata-doce, búzio sobre algas com picles de conserva e vinagre de arroz, rebentos de caviar de vinagre balsâmico e bisnaga de laranja sanguínea” parece demasiado complexa, imagine a experiência de degustar tal entrada. Inesquecível. Segue-se o prato principal, composto por “robalo da nossa costa sobre risoto com tinta de choco e vinagre (falsa cabidela), salmonete braseado, lingueirão com tomate cherry e caracol recheado com manteiga de alho”. Na sobremesa, brilha a “textura de figo com iogurte de laranja sanguínea, geleia de figo da índia e licor do Convento do Espinheiro”, elaborado com o jovem chefe pasteleiro Luca Arguelles.

O apelo aos cinco sentidos sente-se em cada prato que chega à mesa. Patrick Lefeuvre está há cerca de 15 anos em Portugal e mostra preferência pelos produtos da época na cozinha do Flor de Lis, do Epic Sana Lisboa. Para o show cooking no Algarve, elaborou uma entrada de “sabor mineral”, com “foie-gras de pato com pato fumado, ravioli com folhas de pó de ouro e pó de bronze, pêssegos e especiarias”. O prato principal incluiu um lombo de vitela cozinhada a baixa temperatura com gnocchi de limão, pesto de rúcula, amêijoas com jus de vitela e legumes biológicos confitados”. Para a sobremesa, uma sopa de frutos vermelhos com flor de hibiscos e espuma de lima e merengue salteado com rum e raspa de lima”.

As experiências culinárias estenderam-se aos pratos de Frederic Breitenbucher, que lidera a equipa de cozinha do Myriad Sana Hotels desde 2012. Uma entrada de “viera marinada com variações de beterraba, vinagrete de lima, gengibre e maça e espuma de granny smith” antecedeu o prato de “bacalhau fresco assado com esparregado de espinafres e grelos com trem de legumes da época, puré de cebola nova e jus de frango com vinagre”. A “verrine de morango semi silvestre com financier de chocolate, brunesa de morango com poejo, mousse de queijo e sorbets de morango e de poejo“ completaram a sua apresentação.

Sana Gastronomia

Ana César Costa

artigo do parceiro:

Comentários