A arte japonesa das refeições escolares

São pequenas obras-primas comestíveis que encantam os mais pequeninos na hora do lanche. As mães japonesas são exímias a preparar o bentô, uma espécie de marmitas individuais que apelam à imaginação, com ingredientes tão comuns como arroz, legumes e algas.

No regresso à escola, a lancheira de cada criança deve conter bastante nutrição, acompanhada de q.b. de alegria, uma mão cheia de arte, um factor surpresa e alguma animação. E até competição, do estilo “o meu almoço é mais bonito que o teu”, embora talvez sejam as próprias mães e não as crianças a lutar pelo primeiro lugar.

bentô

Horas de pesquisa e preparação resultam em figuras como pandas, playstations, teclados de piano, anéis olímpicos ou foguetões. Basta pensar no tema preferido da criança em questão: a Hello Kitty, o jardim zoológico, a dança ou o futebol – e logo dispor dos ingredientes segundo o motivo elbentôeito.

No Japão, o arroz e as algas são incontornáveis, ideais para desenhar a base de um popular boneco de manga. É o chamado kyarabe, (ou bento de animação), em que os alimentos são decorados de forma a se assemelharem aos anime, bonecos animados japoneses.

Outro estilo é definido com o oekakiben, que representa pessoas, animais, monumentos, flores, etc.

O bentô tornou-se tão popular que até há cursos para aprender as técnicas. A um outro nível, realizam-se concursos entre as mães mais talentosas.

As pequenas lancheiras são motivo de interesse para curiosos e jornalistas, que já deram a conhecer a tendência além-fronteiras. Além dos tradicionais ingredientes orientais, pode-se usar pão, cenoura, fruta, queijo e outros alimentos nutritivos. Se quiser experimentar, basta ter algumas formas de silicone, um conjunto de facas, bastante imaginação e técnica para fazer do lanche do seu filho o mais artístico da escola.

Para saber mais sobre bentô:

Veja aqui Como se faz ou assista ao filme no Youtube

artigo do parceiro:

Comentários