10 dicas para cozinhar bem massa

Um pouco de técnica é fundamental quando chega o momento de cozinhar massa. Os segredos para pratos fenomenais.

Um pouco de técnica é fundamental quando chega o momento de cozinhar massa. Os segredos para pratos fenomenais.

  1. Quando se coloca a massa na água a ferver é necessário que o glúten nela contido endureça o mais rapidamente possível. Logo, é necessário que o recipiente seja de tamanho suficiente para permitir uma rápida retomada da fervura.
  2. É preferível usar sal grosso de cozinha. Este deve colocar-se na água a ferver antes de introduzir a massa.
  3. O utensílio para mexer a massa deve ser de pau ou de plástico e nunca de metal. O metal subtrai calor à água, interrompendo a fervura.
  4. O fogo deve estar muito forte de início. Uma vez adicionada a massa e a água a ferver, baixa-se um pouco o lume continuando a cozedura moderada.
  5. O tempo de cozedura calcula-se desde o momento em que a água retoma de novo a fervura. Para julgar o ponto ideal de cozedura da massa o melhor sistema é prová-la, de quando em vez, ou seguir os tempos indicados pelas marcas.
  6. Quando cozida a massa, deve passar-se a massa por água corrente fria. Esta técnica implica a perda de diversos nutrientes nessa mesma água. A melhor forma de arrefecer a massa sem perder mais características e mantendo-a “al dente” é retirá-la da cozedura 1 a 2 minutos antes do tempo indicado na embalagem (conforme gosto de cada um), coloca-la num recipiente largo, regar com um fio de azeite (pode ser outra gordura) e deixar arrefecer à temperatura ambiente, ou no frigorífico. O ponto-chave é que a massa não fique em camadas e tenha o máximo de espaço possível para arrefecer rapidamente. À temperatura ambiente, não precisa mais de 15 minutos!
  7. Para verificar se a massa seca é de boa qualidade, coloca-se um pouco da água da cozedura num copo e verifica-se a transparência. Quanto mais límpida a água, melhor a massa. No caso da massa de milho, a água deverá ficar branca/amarelada no final da cozedura.
  8. A massa seca, depois de cozida, deve possuir uma cor ligeiramente âmbar, não deve ter fendas nem calosidades superficiais e o seu volume deve ter aumentado, no mínimo, para o triplo.
  9. Para efectuar uma cozedura que conserva o sabor e as qualidades minerais, enzimáticas e vitamínicas da massa procede-se da seguinte forma: coloca-se na água já temperada de sal e em forte ebulição, a massa. Mexe-se e espera-se que a água levante, de novo, fervura. Conta-se um minuto de cozedura efectiva e apaga-se o lume. Cobre-se a panela com um guardanapo e depois com a sua tampa, aguardando-se o tempo normal de cozedura. A melhor forma de cozer massa de trigo duro é deitar a massa na água já temperada de sal e em forte ebulição. Assim que a água volte a levantar fervura, contar os minutos indicados nas embalagens, e de acordo com o gosto de cada consumidor. Ao longo da cozedura deve-se mexer de vez em quando a massa dentro da água, e não tapar, de modo a que a água possa evaporar e não condensar, amolecendo a massa. A proporção entre água e massa é crítica, bem como a utilização de uma panela suficientemente grande para a quantidade de massa que se vai preparar. Hoje em dia a qualidade da maioria das massas comercializadas em Portugal garante uma massa bem cozida sem a necessidade de acrescentar gordura durante a cozedura. Deve-se, no entanto, acrescentar alguma gordura após se escorrer a massa, para que se mantenha solta.
  10. Quando feita em casa a massa deve ser confeccionada num ambiente nem demasiado quente, nem demasiado frio.

artigo do parceiro:

Comentários