Playboy diz adeus às mulheres nuas

A revista que em tempos fez furor pelas capas ousadas e picantes dá início a uma nova era sem nudez integral. A nova edição, mais clean e moderna, chega às bancas em março de 2016.

O anúncio caiu que nem uma bomba: a Playboy, considerada umas das revistas masculinas mais emblemáticas de todos os tempos, vai deixar de ter mulheres nuas. Esta mudança faz parte do novo design idealizado pelo editor Cory Jones para a publicação e que será revelado em março do 2016.

A nudez total, que sempre foi uma das características da revista masculina, vai dar lugar a mulheres em poses sensuais e provocadoras, deixando algo para a imaginação. Uma estratégia ousada e arriscada mas que foi vista com bons olhos por Hugh Hefner, que aos 89 anos ainda assume as rédeas da revista Playboy.

Em entrevista ao New York Times o diretor executivo da revista explica com mais detalhe esta mudança. "[a nudez] É uma batalha que lutámos e vencemos", afirma Scott Flanders. "Atualmente as pessoas podem ver todos os atos sexuais de forma gratuita e à distância de um click. Na atual conjuntura [a revista] está ultrapassada".

Em agosto de 2014 o site oficial da publicação removeu todos os conteúdos de nudez, colocando um ponto final no conceito idealizado e lançado por Hugh Hefner em 1953.

Uma das coisas que permanecem é a "Playmate do Mês", mas com fotografias menos agressivas e explícitas. O tradicional centerfold (poster central que saia em todas as edições) ainda está a ser revisto pelos editores.

Recorde-se que a estrela de Hollywood Marilyn Monroe foi a primeira mulher a aparecer na primeira edição da Playboy lançada em dezembro de 1953.

Comentários