França obriga modelos a terem atestados médicos e a identificar fotos alteradas em Photoshop

O Ministério da Saúde francês instituiu como obrigatória a menção "fotografia retocada" nas imagens de uso comercial que modificam a silhueta das modelos e estas deverão ter um certificado médico para exercer a sua atividade, de acordo com duas leis publicadas no Diário Oficial da República esta sexta-feira.
créditos: AFP

O governo pretende assim "prevenir os transtornos de comportamento alimentar", sobretudo entre a população mais jovem. A partir de 1 de outubro "será obrigatório acrescentar às fotografias de uso comercial a menção 'fotografia retocada' quando a aparência corporal das modelos foi modificada com um software para afinar ou aumentar a sua silhueta", anunciou o ministério francês da Saúde em comunicado.

A obrigação envolve as fotografias "inseridas em mensagens publicitárias" na imprensa, em cartazes, na imprensa ou nos catálogos e folhetos, afirma o decreto. O anunciante será o responsável por verificar se as fotos adquiridas passaram por retoques, completa o texto.

A respeito da necessidade de um atestado médico, a medida entrará em vigor a partir de sábado e também será aplicada às modelos de outros países do Espaço Económico Europeu quando trabalharem em França. O certificado terá validade de dois anos e deve atestar que "o estado de saúde global da pessoa (...), avaliado por meio de seu índice de massa corporal, permite que exerça a atividade de modelo".

Lei aprovada em colaboração com o setor da moda

"O setor [da moda] colaborou com a redação dos textos e foi, portanto, informada com antecedência", indicou o ministério da Saúde.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera uma pessoa magra quando o índice de massa corporal (IMC), que corresponde à relação entre o peso e a altura, é inferior a 18,5.

15 coisas sobre a perda de peso que ninguém comenta

Comentários