Carlos Gil fecha primeiro dia da 45ª Modalisboa com coleção sublime

O designer misturou a sua maestria de costureiro, escultor e arquiteto para criar arte na moda. Durante 3 dias mais de 20 designers portugueses apresentam as suas propostas para a próxima primavera/verão 2016.

Carlos Gil foi o designer escolhido para fechar o primeiro dia de Modalisboa e conseguiu envolver o público na sua arte, criando uma coleção repleta de detalhes, elegância mas com um toque de atrevimento e inovação. “The New Sartorial” foi o nome dado à coleção, onde o designer assumiu simultaneamente o papel de costureiro, escultor, pintor e arquiteto. O resultado foi uma coleção  onde tons neutros se misturaram com cores vibrantes, diagonais e retas que se manifestam em pregueados e volumetrias, collage de texturas e cortes que ressaltaram o efeito de tridimensionalidade.

O dia abriu também com 'chave de ouro', com a visão dos jovens talentos na área do design de moda que apresentaram as suas coleções na plataforma Sangue Novo. Esta edição foi possível conhecer as coleções de Tânia Nicole, Sara Santos, Rúben Damásio, Patrick de Pádua, Inês Duvale, David Catalán, Cristina Real, Banda, CarlotaOMS e Carolina Machado. Uma das grandes novidades desta edição foi a atribuição do Prémio Modalisboa à melhor coleção. O prémio foi atribuído a Sara Santos, que recebeu um workshop de cinco semanas em Milão, oferecido pela Domus Academy e uma bolsa de estudo atribuída pela Vulcano. A presidente da Modalisboa, Eduarda Abbondanza, os designer Nuno Gama e Paulo Cássio e a diretora do Master in Fashion Design da Domus Academy, Sara Desimoni, foram os jurados que elegeram o grande vencedor. Mas a Sara Santos não foi a única jovem designer a receber um prémio. Tânia Nicole foi selecionada pela direção do FashionClash, o festival de moda holandês, para representar Portugal na próxima edição do evento.

Awaytomars foi o desfile que se seguiu, desta feita inserido na plataforma LAB. “Perene 2” foi o nome dado à coleção que instiga a dinâmica entre o tempo, o efémero e o consumo. Continua entre a inclinação para esta dimensão, a divisão do espetro no infinito do que pode ser e ainda não é, e no pacto de equilíbrio entre as pessoas no tempo-espaço com produto-corpo. Na mesma sala de desfiles e ainda na plataforma LAB desfilaram as tendências masculinas da designer Catarina Oliveira para a próxima primavera/verão 2016. A coleção “Savage Mind” remete para o controlo que a mente humana tem sobre os instintos básicos humanos, muitas vezes reprimidos. Catarina Oliveira recorreu a transparências e a tecidos leves, numa referência à liberdade e à “vitória” dos instintos sobre os limites impostos pela consciência. Desenvolvidos pela artista Ana Lira, os estampados assumem uma importância fundamental nesta coleção, ao representar transgressões às normas e aos limites auto-impostos.

Luís Carvalho foi o penúltimo da noite a apresentar as suas propostas. Sob o tema "Flower Explosion", este desfile foi acarinhado por muitas celebridades que o jovem designer veste, contando com Inês Castel-Branco na passerelle. Quanto à coleção podemos explicá-la como uma explosão de flores que influencia as formas, cortes e motivos estampados do próximo verão. As flores foram a base da coleção, exploradas de várias formas e em diversos materiais. As suas formas orgânicas resultam em tecidos e cortes fluidos. Em contrapartida, as texturas têm influência nos plissados e noutras matérias-primas, que nos deram o contraste do feminino/masculino. As cores variaram entre o branco, preto e cinzento. O azul apareceu como cor predominante em várias tonalidades.

Durante 3 dias o Pátio da Galé e os Paços do Concelho irão receber mais de 20 designer nacionais e as suas visões e propostas para a próxima primavera/verão.

Veja todos os desfiles no dossier da 45ª edição da Modalisboa.

artigo do parceiro:

Comentários