O que deve ignorar nas revistas e blogs de moda

Dicas de estilo da consultora de imagem e blogger Rita Carvalho.

Eu adoro passar horas a ver blogs, revistas de moda e imagens no Instagram e Pinterest, pois são uma boa fonte de inspiração e é uma forma de estar a par das novidades. Além disso, é sempre bom conhecer novas sugestões de moda, beleza, restaurantes, viagens, decoração, livros, entre muitos outros temas. Enfim, difícil é escolher entre tantas e boas recomendações.

No entanto, reconheço que é fácil sentir-se frustada, pois as páginas de moda e de beleza apelam ao consumo e ao desejo de copiar os looks das celebridades e modelos. A questão é que a maioria das pessoas não tem um orçamento ilimitado, nem tem o corpo ou o estilo de vida das suas musas.

Por esse motivo, algumas mulheres podem sentir-se inseguras em relação ao seu corpo e aparência e achar que a sua vida não é de todo interessante. Mas acredite que as personalidades que mais admira também não têm uma vida e corpo perfeitos. E o que vê são situações encenadas para aquela fotografia. Ou seja, a ideia de perfeição é uma ilusão. Veja também o artigo “Como aplicar o método Robin Hood.”

Como pode tirar partido das revistas e blogs de moda

1. Aprenda a distinguir a imagem de uma produção da vida real

Os editoriais de moda são o resultado do esforço de uma equipa de trabalho, composta pelo stylist, maquilhador, cabeleireiro e fotógrafo, que unem todos os esforços para que as modelos tenham uma imagem impecável. Além disso, através da aplicação de filtros e do photoshop as imagens são manipuladas, de modo a criar a ilusão de que tudo é perfeito. E para chegarem àquela foto final maravilhosa tiveram de tirar dezenas ou, até mesmo, centenas de imagens.

Mas na realidade, as modelos e as bloggers também têm inseguranças e imperfeições como todas as mulheres. Talvez, por isso, tenha ficado célebre a frase da ex-modelo Cindy Crawford, quando afirmou “Mesmo eu não acordo parecida com a Cindy Crawford.” Aprenda a valorizar os seus pontos fortes e a disfarçar os que menos gosta.

O que deve ignorar nas revistas e blogs de moda

2. Para ter estilo não tem de seguir as tendências de moda ou ter muito dinheiro

Tal como afirmou Coco Chanel: “A moda passa, mas o estilo permanece.” Para ter estilo não é preciso seguir a moda ou adquirir as mais recentes tendências. O estilo é algo que reflete a sua personalidade, o seu gosto pessoal e a sua forma de estar na vida, ou seja, a sua individualidade. Além disso, para ter estilo não tem de usar roupas de criadores, investir em peças de marca ou gastar muito dinheiro. O importante é aprender a combinar a sua personalidade com o seu visual. Encare as revistas e os blogs de moda como uma boa fonte de inspiração e informação. Estes vão ajudá-la nas suas escolhas e a ficar a par das novidades de cada estação.

3. Inspire-se no que vê sem ter necessidade de imitar

As sugestões apresentadas podem dar-lhe mais ideias de combinações, ensinar-lhe novas técnicas e mostrar-lhe outras soluções que desconhecia. Muitos media e bloggers divulgam as novidades que pode encontrar em cada estação, desde as propostas mais acessíveis até às peças de criadores e marcas de luxo, por isso aproveite esta pesquisa que lhe pode ser muito útil, de modo a poupar tempo e dinheiro. Além disso, não tente imitar tudo o que vê, pois é importante avaliar primeiro qual é o seu tipo de corpo e o que mais a valoriza, bem como ter em conta o seu estilo de vida e o seu atual guarda-roupa. Se uma peça não lhe fica bem ou não se enquadra na sua rotina diária, simplesmente não a compre. Nem tudo o que vê é indicado para si.

O que deve ignorar nas revistas e blogs de moda

4. Invista mais em básicos de qualidade do que em tendências

Os básicos de moda são versáteis e intemporais, sendo por isso um bom investimento, como é o caso de uma t-shirt ou camisa branca, blazer, calças de alfaitaria, trench coat, entre outros. O que significa que são peças de vestuário, que pode usar em mais do que um contexto, não passam de moda e permitem diversas combinações. É importante que esta seja a base do seu guarda-roupa, de forma a prolongar a vida das peças e aumentar a quantidade de coordenados. De forma a modernizar o seu visual, pode apostar ainda em algumas tendências ou peças-chave, como é o caso de acessórios. No entanto, como as tendências passam rapidamente de moda, compre poucos artigos por estação e de marcas mais acessíveis.

5. Compre de forma consciente e rentabilize o seu guarda-roupa

Antes de ir às compras, questione-se: Preciso mesmo disto? Combina com o que já tenho no armário e com o meu estilo de vida? Em que situações vou usar esta peça? Identifique as peças que lhe fazem falta e aprenda a fazer novas combinações, a partir do que já tem. É fundamental saber rentabilizar o seu guarda-roupa. Eu inspiro-me, muitas vezes, em looks, que me ajudam a conjugar as peças de forma diferente. As publicações e os blogs de moda são uma boa forma de se manter informada e de conhecer novas soluções. Por exemplo, experimentar uma maquilhagem diferente ou um novo penteado; colocar um cinto num blazer; usar um lenço como cinto ou na alça da mala; realçar um decote com um maxi-colar ou colares por camada; e aprender a fazer combinações de cores e padrões. Ou seja, tire partido das ideias que vê, adaptando-as ao seu estilo, corpo, guarda-roupa e realidade.

www.instyleland.com

Veja mais dicas de estilo de Rita Carvalho aqui.

artigo do parceiro:

Comentários