Botas acima do joelho

Botas over-the-knee? Why not? As cuissardes estão em voga! (fotos)

O regresso das cuissardes, nesta estação, fez-se altivo e com muita classe, prometendo não dar hipóteses a qualquer bota que não ultrapasse o joelho. Várias tentativas têm sido feitas em torno das botas acima do joelho. Em 2009, vimo-las nas passerelles de Louis Vuitton, Loewe ou Hermès. No entanto, na rua, o mais longe que chegaram foi às pernas de Kate Moss ou de Emmanuelle Alt, que, com aquela altura de pernas, seria quase criminoso não se atrever a usá-las.

Enquanto mulheres com M maiúsculo que somos, independentes, femininas, que não dispensam mostrar a sua sensualidade, mas sempre mantendo a classe, porque é que ainda colocamos entraves a uma das peças mais sensuais de sempre? Estará este modelo de botas mal conotado? A jornalista e blogger Pureza Fleming desmistifica esta questão.

Má reputação

A primeira imagem que me veio à cabeça quando pensei em botas acima dos joelhos foi a de Vivian Ward, a personagem de Julia Roberts, antes de ser resgatada pelo advogado milionário no filme «Pretty woman», «Um sonho de mulher» em português, onde a atriz encarnava uma prostituta. Mesmo antes das botas da rua serem substituídas pelos chiques pumps e sitlettos da, então,
ex-prostituta-agora-senhora Vivian Ward. Por esta ordem de pensamentos, botas acima de joelho seriam algo vulgar e as dúvidas ficariam esclarecidas.

É que existindo claramente uma linha que separa a pretty woman que ansiamos ser todos os dias da pretty woman retratada no filme, cuissardes estariam fora de questão. Ou não? Ou seria apenas o sucesso do filme e a brilhante interpretação de Julia Roberts, que acabavam por traçar um destino fatal a um calçado com tudo para dar certo?

Ícones de estilo

Felizmente a moda é feita de ciclos e, felizmente, temos registos que contrariam, com quilos de classe, esta mal conotada ideia relativamente às botas. Bons exemplos que sustentam o nível, tão alto como as próprias botas, são Jane Birkin e Bigitte Bardot. Reais ícones de moda no final dos anos da década de sessenta, início da de setenta, duas belezas completamente distintas, ambas maravilhosas.

Para além da paixão por Serge Gainsbourg (ou assim se diz), as duas atrizes partilhavam gostos semelhantes em termos de estilo. As botas acima do joelho eram, sem dúvida, um dos seus itens preferidos. De corpos bem diferentes, uma mais voluptuosa, outra mais delicada, era costume vê-las com o suprassumo do sexy em matéria de botas, as cuissardes, impecavelmente conjugadas com minisaias (muito mini) ou vestidos trapézio (muito sixties). Bardot sempre mais sensual, enquanto Birkin preferia manter o seu ar dócil, de menina inocente.


Sexy and cool

Como em tudo na moda, o segredo está em como usar, com o que conjugar e o que queremos transmitir. Nesta estação, num grito quase desesperante, os designers voltaram a pedir encarecidamente ao sexo feminino que largue a zona de conforto das ankle boots (ou o desconforto dos stilettos), para se atrever a usar o epítome do sexy associado ao cool que as cuissardes representam.

Como usar

Vimo-las em Chanel, mas foram as botas camel em pele de Phillip Lim, perfeitamente conjugadas com um boyfriend blazer, que nos tirou o fôlego. O contraste da mulher fatal com a colegial, é onde reside o grande segredo para o sucesso. Isto porque, infelizmente, nem todas somos Bardots. Preconceitos à parte, este modelo não é propriamente dos mais fáceis de usar.

Se, por um lado, temos medo de cair no demasiado sexy, quase a roçar o provocante, por outro, a altura de botas pede algumas características de corpo. Primeiro, é necessário ter alguma altura (no total), assim como altura de pernas. É essencial deixar perna à vista entre o fim de uma minisaia (por exemplo) e o início da bota. Caso contrário, dá a ilusão de não termos perna.

O mesmo acontece se usarmos calças. As coxas grossas também devem evitar este modelo, uma vez que aumentarão sempre o volume da perna. Ainda tem dúvidas? Inspire-se nos nossos coordenados preferidos:

- Look de dia

Aposte num vestido politicamente correcto, onde o corte e o material devem ser perfeitos, para um look de dia. Os materiais devem ser nobres. Bom ar e visual impecável são mais que obrigatórios.

- Look de noite

As botas rasas são o truque certeiro para um visual hiper sexy, que não corre o risco de cair no vulgar. A mochila faz o contraponto para um look que vive entre o provocante e o cool.

Moda a preto e branco

artigo do parceiro:

Comentários