Unhas de gel

Vieram para ficar e estão a ganhar adeptas mas será que são realmente seguras?

São cada vez mais procuradas mas ainda suscitam algumas dúvidas.

Desvendamos-lhe, de seguida, todos os mitos, equívocos e verdades sobre as unhas mais cobiçadas de sempre.

As unhas de gel vieram para ficar. Desde as extensões ao nail art, esta técnica confere às unhas um aspeto natural, flexível e forte.

Mas ainda são muitos os preconceitos que giram em torno desta técnica que faz maravilhas às mãos femininas. Se por um lado temos mulheres que confessam ser um vício, por outro temos pessoas que ainda se retraem quando ouvem falar em brocas, limas e tacos para polir.

Maria Guimarães, engenheira química e responsável técnica da Nails4'Us, esclarece todas as dúvidas, lembrando que «antes de mais, a saúde das nossas unhas deve-se a nós mesmas e também à responsabilidade de as entregar aos cuidados de uma profissional competente».

O que é o gel para as unhas?

É um produto que se aplica em cima das unhas naturais, promove um revestimento protetor no leito da unha e pode estender-se para além do limite desta, aumentando-lhe assim o comprimento. «É um material duro, não poroso (se o for, é de má qualidade e não deve ser utilizado), que depois é limado e artisticamente trabalhado», refere Maria Guimarães.

As unhas precisam de respirar?

Maria Guimarães começa por explicar que «as unhas são constituídas por queratina (uma proteína fibrosa), cálcio, ferro e lípidos. Crescem da raiz para a extremidade e não causam dor quando são cortadas. Toda a sua base é protegida pela cutícula que a circunda e que não deve ser retirada, pois abre a porta a possiveis infeções».

Relativamente à ideia generalizada de que a aplicação do gel impede as unhas de respirar, assegura que «as unhas não respiram, ressecam, isso sim, com o excesso de esmalte (verniz comum), o que não acontece com a utilização das unhas de gel».

«As unhas de gel são extremamente resistentes e têm um papel fortalecedor, pois protegem a unha natural à medida que vai crescendo, cada vez mais saudável», explica. São, por isso, uma excelente solução para quem tem unhas fracas e quebradiças, assim como para quem tem o vício de as roer.

O gel favorece a formulação de fungos?

Associada ao mito de que o gel impede as unhas de respirar, existe também a falsa crença de que esse é um factor de risco para o aparecimento de fungos. Contudo, conforme explica maria Guimarães, isso só acontece se houver uma má aplicação do gel.

«É necessário haver uma aderência completa à unha, caso contrário, abrem-se espaços entre o gel e a unha que propicia a criação de fungos». A especialista defende, por isso, a necessidade de cumprir todos os passos da aplicação do gel, nomeadamente cutículas, limagem, gel base e gel de construção.

O gel torna as unhas fracas, quebradiças e amareladas?

A ideia de que o gel remove camadas das unhas, deixando-as expostas e em más condições é, de acordo com Maria Guimarães, também errada. Apesar das críticas que este método de embelezamento tem levantado ao longo dos últimos anos, a especialista esclarece que «o enfraquecimento das unhas deve-se, sobretudo, a «deficiências nutricionais que indiciam, normalmente, falta de cálcio, zinco e vitaminas A, B e E, nutrientes essenciais para a constituição da unha».

Refere ainda que, na maioria das situações em que a unha é demasiado esfoliada, «se comprova que o trabalho foi executado por uma técnica negligente com pouca ou nenhuma formação e com falta de experiência e conhecimento técnico». Relativamente às unhas amareladas, Maria Guimarães explica que «isso pode decorrer da utilização prolongada de vernizes com corantes ou géis que contenham ácido, o que não acontece com o gel da Nails 4’Us».

Como é feita a manutenção e remoção?

Após a primeira aplicação, à medida que a unha vai crescendo, «não é necessário tirar o gel e voltar a colocá-lo. É possível fazer um preenchimento ou acrescento da unha», refere a especialista. As sessões de manutenção devem ser feitas a cada três a quatro semanas.

No que se refere à remoção, é importante garantir que é feita da melhor forma, sem recorrer à abrasão química, em que «não há qualquer controlo, nunca se sabe onde acaba o gel e começa a unha», adverte a especialista. A melhor opção é sempre a remoção mecânica (utilizando uma lima/lixa), pois estimula a regeneração da unha.

«A limagem/esfoliação da superfície das unhas naturais retira as impurezas e as células mortas», esclarece a engenheira química, que alerta ainda para o perigo de remover ou arrancar o gel em casa, uma vez que poderá provocar danos graves às unhas.

O material aplicado nas unhas é um material seguro?

No que respeita à segurança dos produtos, o CIR (Cosmetic Ingredient Review) garante que os géis UV são seguros para a aplicação em unhas naturais, desde que não haja contacto com a pele «para evitar o seu potencial alergizante».

Tenha cuidado com promoções muito baratas, bem como se sentir um cheiro forte. Este pode denunciar má qualidade do gel. «As consequências podem ir muito para além das unhas enfraquecidos, dando mesmo origem a alergias ou à criação de fungos», alerta a especialista. E certifique-se que o local e a técnica que fazem o serviço são credenciados.

Qual o custo médio da aplicação?

A primeira aplicação tem um preço que se situa, em média, entre os 42,50 € (sem extensões) e os 65 € (com extensões). Já a manutenção custa cerca de 35 €.

Texto: Cláudia Vale da Silva com Maria Guimarães (engenheira química)

artigo do parceiro:

Comentários