Tratamentos que refirmam o peito

4 procedimentos não cirúrgicos que permitem contrariar a flacidez

A pele dos seios é frágil, sem músculos e repleta de tecido adiposo. Por isso, um dos problemas que enfrenta é a perda de elasticidade e consequente flacidez provocada pelas variações de peso ou por problemas associados à gravidez.

É ainda uma das zonas mais vulneráveis do corpo. Essa vulnerabilidade manifesta-se nas alterações hormonais, nas doenças, na idade e nos maus hábitos.

«O facto de o peito ir ficando menos firme está ligado ao efeito da gravidade e à herança genética, em proporções iguais», sugere Iara Rodrigues, nutricionista. Requer, portanto, uma série de cuidados indispensáveis que devem começar por uma profunda hidratação. E «quando o problema aparece, é preciso partir para tratamentos específicos», alerta a especialista.

Veja, de seguida, quatro tratamentos que levantam o peito sem ser preciso recorrer a cirurgia:

- Radiofrequência bipolar

O equipamento Aluma (Lumenis) utiliza a tecnologia FACES (Functional Aspiration Controlled Electrothermal Stimulation), que combina a radiofrequência bipolar (com uma frequência de 468 kHz) e o vácuo. «A radiofrequência (RF) baseia-se no aquecimento controlado da derme profunda (preservando a epiderme através de sistemas de arrefecimento) que leva a uma contracção imediata do colagénio e à neocolagénese tardia», adianta Mara Fragomeni, especializada em medicina estética.

O vácuo permite que profundidades variáveis e predeterminadas de derme fiquem alinhadas e posicionadas entre os dois eléctrodos de emissão da radiofrequência. «Puxa o tecido entre os dois eléctrodos e a energia da RF emitida entre eles passa através do tecido, paralelamente ao corpo». Para elevar a condutividade da epiderme, isto é, possibilitar que a energia passe através do tecido, é utilizado um gel condutor. O preço médio deste tratamento ronda os 85 € por sessão.

- Lifting não cirúrgico a laser frio

O revolucionário equipamento Vitalaser permite transportar ácido hialurónico para as células das camadas basais da pele, proporcionando um aumento do volume, uma melhoria do aspeto da pele e a firmeza dos seios. O protocolo de aplicação envolve a «limpeza do decote e seios, a execução de um peeling ou esfoliação, a aplicação do gel de ácido hialurónico e a aplicação de um feixe de laser abrangente, que envolve pressão, vácuo e radiação, e que leva à microionização do gel hialurónico», indica Dina Silva, formada em estética.

Os resultados são visíveis logo no primeiro tratamento. São aconselhados tratamentos de seis sessões para um resultado mais sustentado e duradouro. O custo deste tratamento custa 180 € por cada sessão, em média.

- Preenchimento com Macrolane

O Macrolane é um tipo de ácido hialurónico estabilizado de origem não animal (NASHA) idêntico ao que encontramos no nosso organismo. «O preenchimento consiste, como o próprio nome indica, em preencher e dar volume a tecidos, neste caso através de ácido hialurónico», afirma Enrique Gálvez, especializado em medicina estética.

O tratamento resume-se à injeção de Macrolane no tecido mamário, através de uma agulha ou cânula. É rápido, dependendo da área a preencher e do volume pretendido, podendo demorar entre 15 a 30 minutos. «Os resultados pretendidos conseguem-se numa só sessão, mas poderá dar-se o caso de ser necessário retocar após uma ou duas semanas», salienta Enrique Gálvez. O custo deste tratamento custa entre 2.000 € e 4.000 €, de acordo com a área e o volume pretendido.

- Fillings mamários

Consiste no autoimplante da gordura da própria paciente. O protocolo envolve dois passos. «Primeiro, retira-se gordura de uma zona onde tenha boa qualidade e quantidade, da forma o menos traumática possível», refere Victor Junqueira, especializado em medicina estética. «Depois de retirar a gordura, filtra-se com soro e aplica-se nas zonas onde pretendemos, neste caso no peito, através de uma agulha», acrescenta ainda o especialista.

A técnica de re-injeção é similar à do Macrolane. Recorre-se à anestesia local e a sessão demora cerca de uma hora a uma hora e meia. «É uma técnica que deve ser reavaliada passado um tempo e, eventualmente, repetida», salienta o especialista.

O resultado, contudo, é praticamente definitivo (os implantes que se injectam ficam para o resto da vida). É uma boa alternativa para mulheres que têm perda mamária aos 40, 50 anos ou que querem dar forma e firmeza ao peito. O custo deste tratamento custa cerca de 2.000 €.

Conselhos para um peito (mais) firme:

- Tome duches de água fria. Exercem um duplo efeito sobre as veias e os capilares, primeiro, encolhem e depois dilatam-se, promovendo a tonificação da musculatura.

- Mantenha uma postura erguida. Ao encurvar as costas está a promover o descaimento do peito.

Texto: Cláudia Pinto com Iara Rodrigues (nutricionista da Clínica Newbody), Mara Fragomeni (especializada em medicina estética), Dina Silva (formada em estética), Enrique Gálvez (especializado em medicina estética) e Victor Junqueira (especializado em medicina estérica)

artigo do parceiro:

Comentários