Rejuvenescimento mamário sem cicatrizes

Saiba mais sobre esta nova técnica cirúrgica

O mamolifting consiste no rejuvenescimento da mama.

Uma nova técnica cirúrgica permite que mulheres com mamas
descaídas obtenham um peito perfeito sem que se note
a inestética cicatriz típica do tradicional lifting mamário.

Fundamentalmente,
procede-se ao levantamento e rejuvenescimento da mama, que pode incluir
o aumento ou a redução sem que se note a tradicional e inestética cicatriz em
forma de T invertido.

A intervenção, de forma sucinta, consiste em introduzir uma prótese de gel de silicone
que eleva e dá firmeza à mama. Esta prótese é especial porque o seu tamanho
e projecção possibilitam, além de aumentar o volume dos seios, a elevação dos mesmos.Recomenda-se a mulheres que não tenham mais de 24 centímetros de mama descaída
porque, em casos mais acentuados, não se obtêm resultados tão bons.

«Aplica-se às
mulheres que tenham peito descaído, mama flácida, mama pequena e flácida, mama
grande e caída», comenta Biscaia Fraga, director do Serviço de Cirurgia Plástica
Maxilo-Facial do Hospital Egas Moniz, em Lisboa e da Clínica Biscaia Fraga,
ambos em Lisboa. Dentro do mamolifting, existem inúmeras técnicas reconhecidas
internacionalmente e realizadas por alguns cirurgiões. «São incontáveis as cirurgias
realizadas à mama», esclarece o cirurgião plástico.

As vantagens
desta técnica

«A mama passa a ser mais harmoniosa e mais adequada
à estrutura do próprio corpo. A mulher vai
sentir-se muito melhor consigo própria e na sua relação
com o companheiro», indica Biscaia Fraga. Além disso, elimina a inestética e tradicional cicatriz em forma de
T invertido.

Os resultados são totalmente naturais e evita-se que
as mamas se transformem em bolas, o resultado
habitual da utilização de outro tipo de próteses. «Se a profissão da paciente não implicar grande actividade
física, ao fim de 48 horas pode regressar à sua
vida profissional, de forma moderada, desde que utilize
uma contenção elástica (um soutien bem adaptado) e à sua vida social», indica o cirurgião plástico.

Apenas a prática de determinados desportos pode
ser interdita, como por exemplo, o ténis, a equitação
e tudo o que implique actividade muscular. O tempo da cirurgia não supera uma hora, diferindo
das três horas que são necessárias para outras cirurgias
de elevação do peito.

A prótese adequada

A realização do mamolifting requer a implantação de uma
prótese anatómica com uma projecção especial que possibilita
a elevação da mama. A gama de modelos de próteses é muito dispersa. Para eleger a mais
adequada, segundo explica Biscaia Fraga, há que ter em conta o tamanho
do tórax e da cintura, calculando-se uma prótese em altura,
largura e projecção. Há três alturas recomendadas (F, M e L) e quatro
projecções (X, F, M, L).


Veja na página seguinte: Como se mede a altura da prótese

A altura da prótese mede-se em centímetros e reflecte o tamanho da
prótese longitudinalmente.

Quanto mais longo é o tórax de uma mulher,
mais alto deverá ser o implante a eleger. Há três alturas diferentes, a
alta (F), a média (M) e a baixa (L).

A projecção ou perfil também se mede em centímetros e reflecte a
forma como a prótese sobressai do tórax quando estamos de perfil.
Se for em forma de lágrima, esta projecção fica em declive, incrementando-se na metade inferior. Existem quatro projecções distintas, X
(extra), F (alta), M (média) e baixa (L).

Uma vez eleita a prótese, calcula-se o peso de cada uma delas, sem exceder
as necessidades da paciente, já que é a única forma de garantir
um resultado natural em forma de lágrima (o volume total da prótese
aparece expresso em centímetros cúbicos e oscila entre os 125 a
mais pequena e os 775 a maior). Para a realização do mamolifting, podem ser introduzidas próteses
com diferentes alturas, em função da altura da paciente, mas sempre
com uma projecção X (extra), para poder elevar a mama. Por exemplo,
para uma paciente alta, pode ser utilizada uma prótese FX (altaextra)
e para uma paciente baixa, uma prótese LX (baixa-extra).

A recuperação

Após a intervenção, são sugeridas
massagens de drenagem, semanalmente,
«para que o inchaço desapareça
mais rapidamente. O pós-operatório pode ter alguns
incómodos. A sensação de dor que
as pacientes referem, por exemplo, é
de pressão.

«As mulheres que já tiveram
filhos comparam essa dor à subida
do leite. Há uma sensação de
tensão», indica Biscaia Fraga. Para o
efeito, é recomendado um relaxante
muscular que resulta muito bem de
forma profiláctica. Por outro lado,
«a paciente não deve realizar movimentos
de grande amplitude.»

Durante dois meses, as massagens de
drenagem permitem que as mamas
fiquem devidamente acondicionadas,
para evitar deslocamentos da
prótese. «A maioria dos deslocamentos da
prótese acontece durante as relações sexuais (se o marido fizer uma
grande pressão nas mamas). Mas a
paciente pode ter relações sexuais
desde que seja preservada a região
mamária», indica Biscaia Fraga. O soutien compressivo retira-se três
semanas depois e a paciente deverá
utilizar soutiens sem aro, pelo menos,
durante um ano.

com Biscaia Fraga (cirurgião plástico)

artigo do parceiro:

Comentários