Orquídea, imagem de beleza

Flor enigmática e mítica, a orquídea ajuda a não envelhecer.

Venerada como uma deusa desde a antiguidade, a orquídea é uma obra de arte. A flor de todos os mistérios que fascina os amantes da beleza e suscita a imaginação dos criadores. Flor sagrada para muitos povos, a orquídea simboliza a beleza, a virtude, a coragem, o amor e a graciosidade feminina. Na natureza, as orquídeas seriam eternas...

A orquídea nasce onde nenhuma outra flor nasce, no pico duma rocha, a grandes altitudes, no alto de uma montanha ou numa árvore isolada. Mas o que mais fascina os botânicos, o seu maior mistério, é a sua longevidade e resistência.

Perante uma tempestade tropical, é a única flor que se mantém indefinidamente fresca, bonita, resplandecente. As orquídeas cultivadas em estufas constituem, também elas, modelos de longevidade absoluta: algumas podem chegar a ter quase cem anos!

O segredo está guardado na força das suas raízes. Essa força permite-lhe preservar a composição original das suas células que, inalteradas, mantêm ao longo do tempo o funcionamento perfeito indispensável à sua sobrevivência e beleza.

Estas propriedades de vida, de longevidade, de crescimento e de esplendor, só a orquídea as possui. No reino das flores, a orquídea é o símbolo da eterna juventude.

Longevidade prodigiosa

Actualmente, existem vários laboratórios de cosmética que se dedicam à descoberta, aperfeiçoamento e investigação de activos anti-idade, provenientes das mais variadas origens. No entanto, assumindo uma paixão jamais declarada a uma flor, existe um laboratório no mundo que dedica à orquídea uma completa e multidisciplinar plataforma de investigação baseada numa ambição única na história da cosmética.

Ao actuar nos mecanismos que conduzem, com a idade, à inactividade das células, o extracto molecular da orquídea actua em todos os sinais da idade e revela um novo poder que se encontra no centro dos seus tecidos de crescimento: retarda o tempo celular.

À imperatriz das flores foi assim dedicado um império sem precedentes em matéria de investigação. Entre a flor mais evoluída do mundo vegetal e a casa repleta das matérias-primas mais preciosas, uma aventura humana e científica extraordinária teve início.

Para esta flor rara com longevidade fora do comum, cuja riqueza biológica não pára de revelar novos poderes, foi necessário pensar num modelo de investigação à parte. Um modelo que, de uma ponta à outra do planeta, mobiliza os maiores peritos internacionais. O metabolismo da flor permite demonstrar como esta funciona e o que lhe confere a sua excepcional longevidade.

Saiba mais na próxima página

Orquidário

Para descobrir, compreender, estudar e valorizar todas as propriedades da orquídea ligadas à sua longevidade, foi desenvolvido o Orquidário. A originalidade do Orquidário, e a sua força, reside no facto de estar organizado numa fileira integrada que permite compreender a vivência da orquídea no seu todo, até conservá- la e reintroduzi-la in situ no seu ecossistema original.

Do jardim experimental ao laboratório de investigação básica e à reserva natural exploratória, as descobertas unem-se numa interacção total para ter em conta todos os dados susceptíveis de explicar, isolar ou favorecer os factores de longevidade da orquídea.

O Orquidário permite aos investigadores colocar o estudo da flor numa perspectiva de investigação biológica integrativa que se revelou fonte de formidáveis descobertas. Numa interacção constante, os três centros que o compõe têm em conta todos os dados susceptíveis de compreender, explicar, isolar ou favorecer os factores de longevidade da orquídea.

Juntos, continuam os trabalhos que vão permitir potencializar, a todos os níveis, cada uma das etapas que levam à criação de extractos com propriedades anti-idade que entrarão na composição dos cuidados cosméticos.

Fenómeno do envelhecimento

A juventude dos tecidos depende da vitalidade do ciclo celular. Durante o envelhecimento, observa-se, nos tecidos cutâneos, uma desregulação da balança entre as células jovens em fase activa e as células que entram em senescência. Inexoravelmente, estas vão atingir o seu limite de actividade e tornarem-se mais numerosas, acumulando-se até “poluir” o ecossistema ambiental e acelerar o fenómeno do envelhecimento do tecido por um efeito dominó.

As células senescentes vão efectivamente expor alguns genes específicos, nomeadamente os que se codificam para proteínas cpm potencial de alterar as células e os tecidos circundantes. Fibroblastos senescentes vão assim segregar as citoquinas pró-inflamatórias que contribuem para a deterioração das proteínas de estrutura.

Outros codificadores, tais como as metaloproteinases, vão degradar a matriz ambiental, o colagénio por exemplo, contribuindo para a degradação acelerada do tecido. Por efeito bumerangue, as células jovens, privadas de um meio propício para a sua vitalidade, vão envelhecer mais precocemente do que a sua programação genética o deixaria prever.

A sua energia esgota-se muito depressa, tornam‑se mais sensíveis ao stress, acumulam-se proteínas e lípidos oxidados. A pele, enfraquecida do interior, defende-se menos e fica mais enrugada. Numa só palavra, envelhece.

Saiba mais na próxima página

Segredo revelado

Se a orquídea vai buscar a força às suas raízes, é no mais profundo dos seus tecidos de crescimento que detém um outro poder único, até agora não explorado. A riqueza de um tecido em crescimento, vector de longevidade, reside na abundância de células jovens, ou seja, de células que ainda não estão preparadas para entrar em senescência.

Efectivamente, apenas uma forte proporção de células jovens confere ao tecido o dinamismo biológico indispensável à sua longevidade e à sua vitalidade. Em simultâneo, as células jovens activas preservam o seu ecossistema ambiental. Este ecossistema preservado confere-lhe uma longevidade jamais igualada, é por esta razão que atrasa os limites do tempo.

É este o poder que os investigadores pretendem captar e isolar. O extracto, seleccionado entre as espécies mais generosamente dotadas, que depois é testado pelas acções biológicas.

Um extracto capaz de ajudar a pele, não apenas a preservar a sua longevidade, mas também a retardar o tempo celular. As investigações levadas a cabo revelaram a potência de espécies novas dotadas de moléculas com fortíssima actividade na entrada em senescência das células da pele.

Essas moléculas, ao actuarem a montante, antes da entrada em senescência das células, sobre os mecanismos que conduzem à sua inactividade, mantêm, com o passar dos dias, um número crescente de células jovens activas. Mais rica em células jovens activas, mais fortes e mais protegidas das agressões, a pele rejuvenesce de forma visivel.

 A orquídea está ameaçada

Para o melhor e para o pior, porque a selecção natural é implacável: aproximadamente metade das plantas não sobrevivem. As flores que sobrevivem são as que se adaptaram melhor, as que souberam adaptar-se melhor, sem adubo nem pesticidas.

Esta qualidade e esta potência encontra-se nas moléculas de longevidade que lhe permitem subsistir. São necessários dois ou três anos para a planta se desenvolver, e mais dois anos para obter plantas exploráveis. No total, desde o seu nascimento, a orquídea, da qual são extraídos os preciosos activos da longevidade, terá aproximadamente sete anos.

Efeitos da orquídea na beleza

Os extractos de orquídea já identificados permitem reconhecer alguns dos efeitos que estes produzem no combate ao envelhecimento.

• Estimulam o gene da longevidade responsável pela síntese de uma proteína com propriedades anti-inflamatórias.

• Combatem os efeitos da imunosenescência cutânea.

• Preservam a composição original da membrana celular.

• Estimulam o potencial de regeneração das células epidérmicas.

• Reforçam a protecção do ADN e controlam a sobreprodução da melanina.

Agradecimentos: Guerlain, Orchidée Impériale

artigo do parceiro:

Comentários