O que a pele pede aos 40 anos

Os cuidados que a epiderme exige nesta fase da vida da mulher

Cada mulher é única e, consoante a idade ou fase da vida que está a atravessar, apresenta diferentes preocupações com a saúde da sua pele. Helena Ferraia, 45 anos, não é exceção.

«Neste momento, a minha maior preocupação é, em plena idade adulta, ter tendência para a acne. Para além disso, tenho a zona do contorno dos olhos muito fragilizada», queixa-se a assessora comercial.

Para compreender o que pode fazer nesta fase, falámos com um dermatologista que nos desvendou as suas características e nos apresentou soluções para problemas que, seguramente, já lhe roubaram algumas horas de sono de certeza. Para a acne adulta, David Serra, dermatologista na Idealmed da Unidade Hospitalar de Coimbra, aconselha formulações tendencialmente suaves. «Opte por produtos com textura ligeira, não comedogénica», recomenda.

«Para além disso, privilegie como ativos os alfahidroxiácidos, os retinoides, a vitamina C ou o ácido azelaico», acrescenta o especialista que, para o contorno de olhos fragilizado, também típico destas idades, aponta uma solução eficaz. «Escolha um creme com ingredientes hidratantes e regeneradores, como o ácido hialurónico ou péptidos com ação antienvelhecimento», sugere.

Outro dos problemas comuns nesta idade prende-se com as rugas instaladas, linhas mais ou menos marcadas no rosto (testa, glabela, cantos dos olhos, pálpebras, à volta dos lábios e pescoço), que mexem com a autoestima de muitas mulheres. Tanto são rugas dinâmicas associadas aos movimentos do rosto como rugas estáticas associadas à perda da elasticidade e a alterações dos volumes do rosto. Para as prevenir e tratar, não abandone os cuidados preventivos.

Utilize produtos mais ativos, de preferência, combinando substâncias com diferentes mecanismos de ação. No caso dos alfahidroxiácidos, pode aumentar gradualmente as concentrações. «Considere ainda tratamentos como botox e fillers», recomenda o especialista da Unidade Hospitalar de Coimbra. No que se refere ao fotoenvelhecimento, outro dos problemas típicos desta fase, as manchas e alterações da textura cutânea, incluindo pele mais áspera e com rugas, são alguns dos problemas maiores.

Esta situação ocorre pela exposição solar ao longo da vida, que provoca alterações genéticas (no DNA das células). Para o combater e tratar, evite a exposição ao sol, sobretudo nas horas e dias de radiação mais intensa. Como complemento, use protetor solar. para corrigir o fotoenvelhecimento, o melhor é recorrer a tratamentos como peelings, tratamentos com luz pulsada ou laser CO2 fracionado, sempre sob supervisão dermatológica.

A couperose, que se manifesta através de eritema e/ou vermelhidão e pequenos vasos sanguíneos dilatados, também é um dos problemas que mais aflige as mulheres nesta idade. Há uma tendência genética para que surja e, além disso, os estragos provocados pela exposição solar diária não ajudam. A prevenção consiste, essencialmente, na proteção solar. Alguns cremes e máscaras ajudam a combater as vermelhidões, embora o seu efeito seja modesto. Tratamentos médicos com luz pulsada ou lasers são, de longe, a solução mais eficaz.

Texto: Madalena Alçada Baptista com David Serra (dermatologista)

artigo do parceiro:

Comentários