Mulheres com silhueta tipo pera

As soluções estéticas e os cuidados alimentares a ter para o valorizar

É a silhueta-tipo de muitas mulheres. Na parte superior do corpo veste geralmente dois números abaixo do que na parte inferior, porque os seus ombros e tórax são estreitos relativamente às suas ancas e coxas, que são mais largas?

Se sim, saiba que tem um corpo tipo pera, como costuma ser designado. E, tal como não podia deixar de ser, esse efeito marca irremediavelmente a sua figura.

Da cintura para cima, de um modo geral, tem a musculatura escassa, flacidez nos braços, ombros descaídos e um peito tendencialmente afundado, às vezes descaído ou pequeno. Da cintura para baixo, tem acumulação de gordura e/ou líquidos nos glúteos, ancas, coxas e joelhos, problemas na circulação de retorno, fragilidade capilar, varizes pequenas... Está a ver o filme, não está?

Para as mulheres com uma silhueta tipo pera, o cirurgião plástico João Anacleto, diretor clínico da CM Clínicas, em Lisboa, sugere-lhe vários tratamentos. Na parte superior do corpo, uma das prioridades vai para o peito. «A nível cirúrgico, pode fazer-se um aumento mamário, já que na maioria dos casos estas mulheres têm uma mama muito pequena e falta de glândula mamária». O cirurgião plástico recomenda também o aumento da massa muscular através de exercícios localizados de musculação e tonificação.

Quanto a tratamentos, João Anacleto sugere a endermologia LPG e a carboxiterapia. Para a parte inferior do corpo, as soluções preconizadas são diferentes. «A nível cirúrgico, lipoaspiração das ancas, glúteos, pernas, coxas e joelhos», recomenda. Relativamente a tratamentos não invasivos, o especialista da CM Clínicas sugere sessões de Exilis, de 10 em 10 dias, alternadas com drenagem linfática manual ou endermologia e carboxiterapia.

No que se refere à alimentação, os seus piores inimigos são as gorduras e os açúcares refinados que se acumulam sob a forma de gordura precisamente nas zonas onde tem de emagrecer. Para combater esse efeito, o nutricionista Miguel Rego recomenda-lhe que coma fruta, verduras e hortaliças, sobretudo todas as de folha, tomate e pepino.

A sua prioridade deve ir para alimentos pobres em hidratos de carbono e ricos em fibra. Deve ingerir peixe como principal fonte de proteínas, carnes e laticínios magros. A lista dos alimentos desaconselhados, por seu lado, inclui gorduras de origem animal e todos os alimentos que tenham um índice glicémico elevado, nomeadamente alimentos fritos e produtos de pastelaria.

No que se refere à distribuição das refeições, deve procurar comer cinco vezes ao dia. Ao
pequeno-almoço, tome, por exemplo, quatro colheres de cereais integrais, quatro bolachas tipo Maria ou pão integral torrado. Ao almoço, ingira peixes com verduras e hortaliças. Os jantares devem ser ligeiros. A meio da manhã e ao lanche, o melhor é comer fruta e laticínios magros com fibra adicionada.

Alcachofra, videira vermelha e ortosifão em comprimidos são alguns dos complementos alimentares aconselhados pelos especialistas para mulheres que tenham este tipo de silhueta, uma vez que melhoram a função depurativa do fígado e a circulação de retorno, favorecendo a diurese (produção de urina).

Texto: Madalena Alçada Baptista

artigo do parceiro:

Comentários