Higiene íntima mais eficaz

As fórmulas certas e os cuidados indispensáveis para um ritual feminino que exige uma ação preventiva que muitas mulheres ainda menosprezam para evitar doenças e bactérias

Segura, saudável, confortável e autoconfiante. Não há mulher que não deseje sentir-se desta forma e não há mulher que não faça (quase) tudo para se sentir assim. Nutrimos a pele, damos atenção especial aos nossos cabelos, não dispensamos produtos de maquilhagem, escolhemos criteriosamente a roupa que usamos e somos cada vez mais cuidadosas com a alimentação que fazemos... A lista de cuidados que temos diariamente connosco certamente não se esgota aqui e a ela podemos acrescentar um fator essencial para o bem-estar feminino, a higiene íntima.

Com a ajuda de uma ginecologista, aprenda a cumprir este ritual essencial da forma mais segura e eficaz. No que se refere a fórmulas adequadas, uma higiene íntima cuidada não é sinónimo de utilização de produtos antiséticos ou irrigações, «uma forma desadequada a que muitas mulheres recorrem para desinfetar a zona vaginal», refere Ana Isabel Machado, ginecologista. É, por isso, fundamental que a higiene íntima feminina seja realizada duas vezes por dia.

Deve ser realizada uma vez de manhã e uma outra à noite, evitando duches vaginais e variados produtos antiséticos, agressores da mucosa vaginal. Os produtos indicados para uma boa higiene íntima são, preferencialmente, neutros, pois a vagina tem um pH ácido, entre 3.8 a 4.2. «A utilização de produtos com pH diferente pode alterar esta composição e favorecer o aparecimento de bactérias nocivas, ao nível de candidíases e das vaginoses bacterianas», sublinha a ginecologista.

Sabonetes com maior risco de infeção

O risco de transmitir uma infeção através de um sabonete é elevado, sendo que aquele que usa na sua higiene íntima deve ser exclusivamente seu. Aplique-o (ou o gel) na mão e só então na zona íntima, passando depois água em abundância, de preferência morna, uma vez que se estiver muito quente poderá irritar os tecidos vaginais. Durante a menstruação, aumentam também os riscos de infeções, pelo que as lavagens são prioritárias.

A mudança do penso ou do tampão também não deve exceder as quatro horas, caso contrário ficará mais suscetível de contrair uma infeção. Também após as relações sexuais é importante cumprir a higiene íntima. «Está provado que mais de quatro relações sexuais por semana proporciona o aumento de microrganismos favoráveis ao aparecimento infeções, por isso é imprescindível que se tenha maior atenção», explica.

«Quando as células ficam irritadas e originam infeções, as relações sexuais tornam-se muito mais difíceis e dolorosas», acrescenta ainda a ginecologista. Para assegurar um bom equilíbiro da flora vaginal, deve privilegiar produtos neutros, com fórmulas sem álcool e perfumes agressores da região íntima feminina. Não é aconselhável que a higiene íntima exceda as duas vezes diárias, pois em excesso pode alterar a flora vaginal.

O poder adstringente do sabão azul e branco

Idealmente a roupa interior deve ser de algodão e larga, já que o calor aumenta o risco de infeções e irritabilidade da zona vaginal. É também aconselhável dormir sem cuecas. Para terminar, deixamos uma dica para eliminar bactérias e gorduras. O sabão azul e branco é um produto muito adstringente que elimina as bactérias mas também a gordura existente na vagina, local onde se concentra o maior número de células sebáceas. Pode e deve, por isso, usá-lo na sua higiene íntima diária.

Texto: Raquel Pires com Ana Isabel Machado (ginecologista)

artigo do parceiro:

Comentários