Está frio? Depile-se!

Os tratamentos de depilação permanente devem ser preferencialmente feitos no inverno. Descubra porquê e saiba em que consiste este método, para que serve e quais as contraindicações associadas.

A depilação permanente é um tratamento efetuado com um aparelho de luz pulsada que é realizado através da ação de uma potente fonte de luz filtrada que emite feixes de luz em direção a um alvo preciso, transmitindo uma grande quantidade de energia com o fim de destruir da raiz do pelo sem danificar os tecidos envolventes. Esta técnica é indicada para reduzir os pelos indesejados em várias partes do corpo.

Quando ao número de sessões necessárias para atingir os resultados desejados, esse é variável. Na maior parte dos casos, o tratamento dura, no mínimo, seis sessões, com uma periodicidade mensal. Após o tratamento, a pele poderá ficar mais sensível às agressões externas, pelo que se recomenda o uso de um produto sem álcool e protetor solar.

Antes de se dar início ao tratamento é feita uma observação cuidada da zona a depilar para determinar a sensibilidade local da derme e definir a intensidade dos raios a utilizar, de acordo com o tipo de pelo e de pele. Só depois se avança para o procedimento final em si.

Porque deve preferir fazer este tratamento no inverno

No inverno, a luz pulsada funciona através da atração exercida pela melanina que está presente no folículo piloso, destruindo ou danificando o pelo. Para um melhor aproveitamento do tratamento, convém que a pele não esteja bronzeada. Assim, deve evitar-se a exposição solar ou sessões de solário nas três semanas que antecedem o tratamento.

Além disso, após a sessão não convém apanhar sol diretamente na pele, uma vez que esta se encontra sensibilizada pela luz. O preço deste tipo de tratamento situa-se, em média, a partir dos 20 € por sessão, sendo que,à à semelhança de outros tratamentos, o preço varia consoante a zona a tratar.

Texto: Rita Caetano

artigo do parceiro:

Comentários