Esponjas de banho: naturais vs sintéticas

As esponjas de banho são ideais para tornar o nosso momento de descanso ainda mais apetecível, mas sabia que existem muitas diferenças entre as esponjas sintéticas e as naturais?

Quando comparados, os dois tipos de esponjas, os prós e contras de cada um saltam logo à vista. À partida, as esponjas naturais, ao terem origem na natureza, contêm menos químicos e, por este motivo a probabilidade de despoletarem reações hipoalergénicas é menor. Logo aqui vemos uma grande vantagem: ao serem hipoalergénicas, as esponjas podem ser usadas em peles mais sensíveis, que não suportam a erosão dos materiais sintéticos. Peles de bebés e idosos, mais suscetíveis a alergias e irritações têm aqui uma boa alternativa.
Entre outros benefícios das esponjas naturais podemos encontrar uma maior durabilidade e uma solução de esfoliante natural que ajuda a prevenir a celulite e estimula a circulação sanguínea.

Porém, não são só pontos positivos. As esponjas sintéticas, apresentam uma gama maior de opções aquando a altura da compra, tanto em termos de tamanho, absorção, que pode ser maior ou menor e vários materiais e cores. Para além da matéria-prima, uma das principais diferenças entre as duas esponjas reside no facto de as naturais possuírem canais contínuos que possibilitam uma absorção e irrigação integral e terem também propriedades enzimáticas naturais que impossibilitam a difusão de bactérias, mofo e fungos. As esponjas sintéticas, pelo contrário, devido aos níveis de absorção, por exemplo, favorecem a proliferação de micro-organismos se não forem bem secas.

Também as esponjas naturais podem ser de vários tipos: desde marinhas a vegetais. Relativamente às esponjas do mar, alguns biólogos acreditam que fatores ambientais como o aquecimento global e a quantidade de substâncias químicas libertadas para o oceano afetam o crescimento das esponjas, uma vez que os organismos que as constituem vivem da filtragem da água. Assim, quanto mais poluída, menos conseguem filtrar e ficam contaminadas de poluição e podem mesmo extinguir-se, tal como está a acontecer com os corais. Contudo, existe sempre a opção da esponja vegetal, uma planta trepadeira que apresenta um ciclo de vida anual e que pode ser cultivada, por exemplo, em praticamente todo o território português. Para além de serem biodegradáveis e, por isso, mais inofensivas para o meio ambiente, são feitas à mão e criam também mais postos de trabalho, o que, consequentemente, desenvolve a economia local. Em Portugal, Paredes de Coura tem a primeira plantação de esponjas naturais do país. A criação da empresa Esveport, que trata do cultivo e comercialização das esponjas, resulta de uma parceria com a empresa galega Esponjas Vegetales, Luffa que já contava com mais de três anos de experiência na área e investigação na área da Biogenética.

Conheça, de seguida, algumas das opções de esponjas naturais presentes no mercado, não só para utilização no banho mas também para a limpeza da casa.

artigo do parceiro:

Comentários