Cosmecêuticos e lasers mais poderosos

O futuro da dermatologia já está a acontecer e abre portas a novas fórmulas e técnicas

No outro lado do Atlântico, centenas de dermatologistas juntaram-se no maior encontro mundial da especialidade para partilhar novos tratamentos e tendências. Estivemos lá!

Todos os anos, a Academia Americana de Dermatologia, a maior e mais influente associação de dermatologia dos EUA, convida os cerca de 17 mil membros a estarem presentes no seu mais importante evento.

Aí, juntamente com especialistas dos quatro cantos do mundo convidados, partilham novos caminhos para a resolução dos principais problemas e doenças da pele e de cabelo. A 72ª edição desta reunião anual realizou-se na cidade de Denver, Colorado, no primeiro semestre de 2014. Nela, discutiu-se o presente e o futuro dos avanços da medicina nesta área de especialidade. Saiba o que está acontecer em termos de evoluções, de produtos, de técnicas e de instrumentos, para melhorar a saúde e a beleza da pele de milhões de pessoas em todo o mundo.

A eficácia dos cosmecêuticos

Conhecidos como cosméticos, é o termo mais utilizado pelos dermatologistas para designar as fórmulas que hidratam a pele, que a protegem do sol e que previnem o seu envelhecimento. Na palestra «Cosmecêuticos para uma prática dermatológica completa», Mary Lupo, dermatologista, revelou que os médicos desta especialidade estão, cada vez mais, a prescrevê--los como coadjuvante dos tratamentos que fazem em consultório. «Quanto maior a lista de ingredientes menor é a sua eficácia», refere a especialista.

Depois de serem largamente aceites como eficazes no tratamento de problemas como a rosácea, o acne e as manchas provocadas pela exposição solar (melasma), vão agora assumir um papel importante como complemento nos tratamentos dos consultórios de dermatologia, podendo ajudar a prevenir complicações e a melhorar os resultados e a duração do tratamentos como lasers, peelings e preenchimentos.

Está também a ser testada uma nova molécula para o tratamento dos papos do contorno ocular, foi revelado durante o congresso. De acordo com os especialistas envolvidos no processo, esta consegue diminuir a sua aparência em 45 minutos após a administração, um tempo que merece elogios da generalidade dos médicos.

Ação antirrugas

Ingredientes como vitamina C, ácido alfalipólico e idebenona atuam contra o envelhecimento da pele. A conclusão é de um estudo apresentado por Dana Sachs, professora no Departamento de Dermatologia da Universidade do Michigan, que avaliou a sua ação com base na evolução dos níveis de colagénio, antes e após a aplicação do produto. Os resultados mostram que os voluntários com uma pele mais envelhecida (com menos colagénio) tiveram uma resposta 5,2 vezes superior ao tratamento do que os que partiram com um nível mais elevado desta proteína. A idade e o sexo dos participantes não tiveram impacto nos resultados.

Acne e terapia hormonal

A prescrição de contracetivos orais por parte dos dermatologistas tem vindo a aumentar, apesar deste tratamento não ser considerado de primeira linha no tratamento da acne. Preocupada com o uso indiscriminado do tratamento hormonal (pílula), a dermatologista Bethanee Jean Schlosser, do Northwestern Memorial Hospital (Chicago), determinou as condições em que esta deve ser usada e a prioridade vai para as mulheres com mais de 25 anos, que apresentem acne na zona inferior do rosto (queixo) e pescoço, resistente a terapias convencionais.

Esta opção deve constituir uma alternativa ao uso repetido de isotretinoína, fármaco usado em acne severo. Antes desta idade, a pílula só deve ser usada caso a paciente tenha necessidade de um anticoncetivo, já tenha tido a sua primeira menstruação e tenha, pelo menos, 15 anos. É fundamental confirmar que não está grávida e que as análises ao sangue apresentam resultados normais.

Os novos protetores solares

As fórmulas, tal como hoje as conhecemos, podem tornar-se, a curto prazo, uma coisa do passado. Vários oradores afirmaram que a proteção solar existente não tem a eficácia pretendida, uma vez que previne as queimaduras solares (provocadas pelos raios UVB) mas «não protege por completo de efeitos invisíveis e mais perigosos (provocados pelos raios UVA)», afirmou Mary Matsui, professora na Columbia University Mailman School of Public Health.

Os investigadores estão já a testar novas formas de garantir que pode aproveitar o melhor do sol sem causar danos à sua pele. O uso de substâncias antioxidantes, por exemplo, tem mostrado resultados promissores na proteção solar (superiores ao FPS), embora não ofereçam uma proteção completa. A produção de produtos com fator de proteção solar (FPS) e antioxidantes na mesma fórmula pode vir a ser a solução.

Inovação nos lasers

Nos últimos anos, novos e melhores tratamentos laser surgiram nos consultórios dos dermatologistas, que viram neste tipo de tratamento uma forma de conquistar novos pacientes, afirmou Rox Anderson, investigador e professor na Harvard Medical School. Estas são as cinco grandes mudanças que o especialista espera que ocorram até 2025:

- Lasers cada vez mais eficazes poderão ser aplicados por profissionais cada vez menos experientes (e também em casa).

- Um software será capaz de programar com 100 por cento de eficácia o alvo dos tratamentos laser, otimizando os resultados.

- Será descoberto um tratamento definitivo para o melasma (manchas escuras provocadas pela exposição solar), baseado na aplicação tópica e não através da tecnologia laser, atualmente utilizada.

- Um tratamento laser será eficaz na remoção de tatuagens sem cicatriz e numa única sessão.

- Surgirá uma cura para a acne, um tratamento laser capaz de atingir as glândulas sebáceas.

Remoção de gordura

Há novas promessas para eliminar as células de que nenhuma mulher gosta. Segundo Mathew Avram, dermatologista do Massachusetts General Hospital, estão em estudo «novos tratamentos injetáveis que poderão oferecer uma forma não invasiva de remover a gordura localizada». Os investigadores esperam, em breve, obter aprovação da Food and Drug Administration, a entidade norte-america que regular o sector, para iniciar os testes e medir os resultados em voluntários.

Cuidados capilares

A dermatologista Nicole E. Rogers, do Departamento de Dermatologia da Tulane University School of Medicine, em Nova Orleães, propôs-se avaliar a relevância daquelas que considera serem as principais tendências do momento na área dos cuidados capilares:

- Densificadores de cabelo
São fórmulas seguras que prometem dar densidade ao penteado, mas não alteram a sua estrutura natural. Os efeitos são imediatos mas mantêm-se apenas até à lavagem seguinte. Alguns têm vindo a posicionar-se como cuidados antiqueda, atrasando a procura de uma solução realmente eficaz e definitiva.

- Tratamentos de queratina
Usados para alisar e fortalecer o cabelo, com resultados até cinco meses, contêm formaldeído ou um precursor desta substância altamente irritante para os olhos, as vias aéreas e os pulmões, e que pode causar graves danos no couro cabeludo.

- Champôs sem sulfatos
O detergente mais comum nos champôs, os sulfatos, foi associado ao aparecimento de dermatites de contacto em pessoas com eczema. Para dar resposta a este grupo de consumidores e capitalizar o investimento, a indústria apostou no marketing dos champôs sem sulfatos de forma a massificar a procura mas, até ao momento, os benefícios para consumidores com pele (normal) sem eczema não foram provados, pelo que o seu custo/benefício é incerto.

O que não funciona

A par das inovações e tendências, o congresso assinala também as substâncias que vão cair em desuso. O ácido kójico, agente despigmentante sucessor da hidroquinona nos tratamentos antimanchas começa a ser afastado. Segundo a dermatologista Zoe Draelos, do Departamento de Dermatologia da Duke University School of Medicine, Durham, Carolina do Norte, o ácido elágico, o ácido hidroxipropriónico e a lignina peroxidase são as substâncias despigmentantes do momento.

Estas apresentam eficácia tanto no tamanho como na intensidade da cor das manchas e estão presentes em fórmulas cosméticas. O aparecimento de dermatites provocadas pelo uso de ácido retinóico, apesar da sua eficácia anti-idade, fez com que os dermatologistas começassem a procurar, também aqui, novas soluções. O retinol, igualmente derivado da vitamina A presente na cosmética, é muito menos irritante e apresenta o mesmo tipo de resultados.

Tendências antirrugas lideram novidades da cosmética

A indústria cosmética tem vindo a acompanhar os mais recentes avanços científicos. Os dermatologistas estão particularmente entusiasmados com duas inovações:

- Novo alvo antirrugas
Chamam-se glicanos, estão presentes na pele e têm a capacidade de desbloquear as células, assegurando a transmissão de mensagens de regeneração, sendo responsáveis pela organização e estrutura cutâneas.

- Células estaminais
A cosmética está a encontrar uma forma de favorecer a reprodução destas células. Como? Através de ingredientes botânicos extraídos e obtidos em doses muito precisas.

Já de olho em 2050

Dentro de pouco mais de 30 anos, os tratamentos laser «serão tão desenvolvidos que conseguirão verdadeiramente rejuvenescer», prevê Rox Anderson, investigador e professor na Harvard Medical School. Este especialista norte-americano acredita mesmo que em 2015 «já tenha sido encontrado» um tratamento laser capaz de atingir as glândulas sebáceas e curar a acne.

Texto: Vanda Oliveira em Denver (EUA)

artigo do parceiro:

Comentários