Corrija o sorriso gengival

Para muitas pessoas, sorrir é um verdadeiro drama. João Caramês, especialista em implantologia, explica quais são os procedimentos atualmente em voga para corrigir o problema.

O sorriso gengival pode ter origem num crescimento facial anormal, que faz com que os maxilares fiquem em posições anómalas ou com que os dentes fiquem em posições incorretas. Em qualquer caso, vê-se demasiada gengiva ao sorrir. Uma situação que pode derivar de um crescimento exagerado apenas da gengiva, que cobre parte dos dentes, ou de um crescimento exagerado do osso dos maxilares em conjunto com a gengiva.

«Se o problema está na posição dentária e dos maxilares, pode ser corrigido com ortodontia (alinhamento dos dentes com aparelho) ou, se necessário, com cirurgia ortognática», esclarece João Caramês. De acordo com o professor catedrático da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, professor adjunto da NYU e diretor clínico do Instituto de Implantologia, existe solução.

«Se a gengiva apenas cresceu, sem alteração exagerada da posição dentária, é possível fazer uma gengivoplastia (modelar a gengiva) ou, nos casos que tenham demasiado osso por baixo da gengiva, um alongamento coronário (aumentar a coroa visível dos dentes), muitas vezes associado a outros tratamentos estéticos como, por exemplo, facetas em cerâmica», adianta. «Atualmente, é possível pré-visualizar o resultado final através de softwares informáticos existentes no mercado», acrescenta.

«A duração total do tratamento varia consoante a etiologia do problema. Se houver necessidade de usar um aparelho ortodôntico, em cerca de dois anos poderá estar resolvido», diz. João Caramês afiança ainda que, em caso de alteração gengival, se poderão começar a notar resultados estéticos apenas numa sessão. Veja também a galeria de imagens que mostram o antes e o depois de intervenções estéticas à boca.

artigo do parceiro:

Comentários