Borbulhas e pontos negros: Por onde começar?

São muitos os jovens que estão descontentes com a sua imagem e que se queixam de borbulhas e pontos negros. Saiba como proceder segundo as recomendações da médica dermatologista Leonor Girão.

Com a entrada na puberdade e evolução para a idade adulta, dá-se uma alteração substancial nas hormonas circulantes. Isto vai condicionar mudanças importantes no corpo e, claro está, na pele. Aumentam as glândulas sebáceas produtoras de gordura, aumenta a oleosidade, aumentam os pelos, a pele fica mais grossa e brilhante.

Se houver uma tendência genética para tal e/ou se forem usados produtos de higiene facial e cremes hidratantes demasiado gordos, as borbulhas e pontos negros começam a aparecer. Ambientes quentes e húmidos também são propícios ao aparecimento destas lesões. Ao conjunto destas lesões chamamos de "acne".

Na acne, as glândulas  sebáceas estão a produzir mais sebo e, por vezes, os seus canais como que entopem. Isto faz com que as glândulas inchem, rompam, libertem sebo dentro da pele, que provoca inflamação, e, por vezes, pequenos abcessos. São as borbulhas clássicas: pequenas pápulas vermelhas e dolorosas com um ponto amarelo de pus no topo.

A pressão exercida pelas unhas (espremer borbulhas) e as bactérias existentes na pele aumentam imenso este fenómeno perpetuando o aparecimento de surtos de borbulhas. Mas nem sempre os canais entopem; por vezes os poros são mais dilatados, o sebo acumula-se no canal, oxida em contacto com o ar e fica escuro – é o “ponto negro”. Não há inflamação porque o canal está aberto, livre.

Se for feita pequena pressão lateral, sai um rolhão de sebo duro com uma  extremidade escura, o comedão (ponto negro). Se essa pressão for demasiada ou se se traumatizar a pele, então passa a haver inflamação, as bactérias entram para o canal e transforma-se numa pústula (borbulha com pus). Por isso, não se devem fazer “limpezas” de pele agressivas. Só vai piorar a pele.

Este problema é mais acentuado nos jovens, mas claro que também existe em idades mais avançadas. Basta que para tal se reúnam as condições necessárias: tipo de pele + oleosidade excessiva + cosméticos gordos + transpiração + flutuações hormonais.

Para tratar estas lesões deve consultar um dermatologista. Esperar que passem com o tempo é uma péssima ideia: pode resultar em cicatrizes e manchas para sempre.

Mas há coisas que pode fazer desde já: limpar a pele de manhã e à noite com produto de limpeza próprio para pele oleosa; aplicar um hidratante regulador do sebo diariamente e usar um exfoliante semanalmente.

Por Leonor Girão, Médica Especialista em Dermatologista na Clínica de Dermatologia do Areeiro

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários