Apanhou sol a mais?

Saiba como diminuir os estragos provocados por uma exposição solar excessiva

É mesmo verdade! O sol que apanhou neste verão pode sair muito caro à sua pele.

Se mostra sinais de fadiga e desidratação, está na altura de adoptar um plano eficaz de reparação para evitar danos irreparáveis no futuro.

Acha-se favorecida neste momento com esse bronzeado que trouxe das férias? Sim? Volte a olhar-se ao espelho com mais atenção.

Co­mo está a sua pele? Desidratada, com falta de luminosidade e manchas. E em redor dos olhos e da boca, nota as rugas mais marcadas? Agora já sabe que a pele muito bronzeada evidencia mais os sinais de envelhecimento, rugas e pés de galinha. Se ainda não nota alterações, não julgue que está a salvo. Em poucos anos, vai seguramente vê-las. Ah pois é!

Os dermatologistas não se cansam de advertir que a exposição aos raios UV acelera o processo de envelhecimento da pele. Os danos não são imediatos, evidenciam-se anos mais tarde (os excessos cometidos aos 20 aparecem aos 40), pelo que muitas vezes não os levamos devidamente a sério, mas são uma consequência inevitável da exposição continuada ao sol. É o chamado fotoenvelhecimento. Caracteriza-se pelo aparecimento de rugas, desidratação, manchas e um sem fim de problemas que, felizmente, se devidamente acautelados, pode ajudar a reparar.

Efeitos sobre a pele

Os raios ultravioleta (UVA e UVB) podem danificar para sempre a elastina, proteína da derme que dá elasticidade à pele. Para além disso, provocam a perda de água e prejudicam a irrigação sanguínea, o que dificulta o mecanismo natural do corpo para manter a pele saudável. Todas as pessoas expostas ao sol desenvolvemfotoen­velhecimento, em menor ou maior grau. Ninguém está imune aos seus efeitos.

Na verdade, mais de 75% das rugas e falta de elasticiade que terá na sua pele são devidas ao sol e apenas 20% ao envelhecimento cronológico (a passagem dos anos). Enquanto o envelhecimento cronológico se caracteriza por uma pele suave e lisa, com rugas finas, o fotoenvelhecimento apresenta rugas mais grossas, pele áspera (sob o sol a pele torna-se mais grossa com camadas queratinizadas à superfície)sem elasticidade e alterações vasculares.

Mesmo coma utilização de protectores solares, o sol causa estragos à pele, que felizmente pode ajudar a reparar como recurso à cosmética e aos tratamentos médico-estéticos ade­quados. Estas são as estratégias mais eficazes para recuperar a sua pele.

Peeling

Trata-se de um processo de descamação que retira as camadas mais superficiais da pele, eliminando as células mortas e corrigindo im­perfeições, como manchas e rugas finas, ao mesmo tempo que estimula a produção de colagénio, melhorando a firmeza cutânea. Pode ser físico ou químico, consoante o método utilizado.

O peeling físico faz a esfoliação através da ação de microgrânulos, como os cristais de óxido de alumínio utilizados na microdermabrasão. O peeling químico recorre a princípios activos como enzimas ou ácidos (mandélico, retinóico, glicólico, alfahidroxiácidos e AHA) para proceder à descamação controlada da pele.

A escolha do tipo de peeling e da sua intensidade (superficial, média ou profunda) é feita consoante a necessidade da pele e pode ser utilizado sozinho ou em associação com outros tratamentos hidratantes, despigmentantes ou regenerantes, para uma maior eficácia.

Se quiser fazer um tratamento deste género, sugerimos-lhe o Tratamento de Microdermoabrasão Controlada da Thalgo, um tratamento cosmético que associa a esfoliação mecâ­nica à esfoliação química está aconselhado a par­tir dos 30 anos em casos de falta de luminosidade, rí­dulas, rugas e perda de firmeza. Este alisa o relevo cutâneo, clarifica e dá luminosidade à pele e estimula a produção de fibroblastos, recuperando a juventude da pele.

Como? Graças à acção sinérgica de microcristais de óxido de alumínio e de um complexo de ácidos vegetais (má­lico, láctico e cítrico). Notam-se resultados logo des­de a primeira sessão mas, para os manter e optimizar, aconselham-se, em média, entre 6 a 10 sessões. O preço por sessão, que tem uma duração média de 55 minutos, ronda os 87 €.

Hidratação e regeneração

Demasiadas horas ao sol deixam a sua marca na pele, sob a forma de secura intensa. Como consequência, a pele tem dificuldade em asse­gurar o equilíbrio hídrico que a mantém em forma, comprometendo o seu bom aspeto. No final do verão, os danos fazem-se com um aspeto de desidratação, rugas mais vincadas e perda de firmeza.

O primeiro passo para recuperar a elasticidade da pele e, por conseguinte, alisar as rugas, consiste em intensificar o fornecimento de hidra­tação. Devidamente hidratada, a pele optimiza o seu processo natural de regeneração, recuperando firmeza e vigor e, simultaneamente, travando a evolução de danos mais graves.

Para combater esses problemas pode recorrer ao Hialurox, um novo método antienvelhecimento que ajuda ade­volver volume e elasticidade da pele, graças à acção do áci­do hialurónico (AH). O ácido hialurónico é uma substância existente no nosso organismo responsável por proporcio­nar hidratação, volume e elasticidade aos tecidos, em parti­cular à pele.

A idade, os raios UV, o tabaco e o estilo de vida agitada fazem com que a sua produção diminua, levando à perda de vitalidade e ao aparecimento de rugas. Este tratamento está recomendado para quem procura uma alternativa eficaz às injeções de preenchimento para revitalizar o tecido cutâneo e diminuir a aparência das rugas. Preenche as rugas e devolve luminosi­dade e elasticidade à pele, dando-lhe um aspecto mais jovem e firme, sem recurso a métodos invasivos.

Como? Um gel de nanosferas de acido hialurónico, em sinergia com um laser atérmico (frio), consegue penetrar e actuar nas camadas mais profundas da pele, de forma a estimu­lar a renovação do tecido celular e a reativar a produção de AH endógeno (criado pelo próprio organismo). São necessárias entre três a seis sessões, dependendo das condições da pele e da resposta ao tratamento. O preço por sessão varia entre 100 € e 540 € (pacote de 6 sessões). 

Rejuvenescer e eliminar as manchas

As rugas e manchas no rosto, pescoço e decote são um dos sinais mais evidentes do envelhecimento. Mas este problema estético não está necessariamente relacionado com a idade. Na verdade, manifesta-se cada vez mais em pacientes jovens, que sofrem de fotoenvelhecimento, isto é, envelhecimento prematuro provocado pela exposição ao sol.

Para o combater pode recorrer a tratamentos como o Smartxide dot, um novo sistema de laser de CO2 fracionado, espe­cificamente desenvolvido para libertar a pele dos sinais de en­velhecimento. A sua grande vantagem em relação aos lasers de CO2 tradicionais (que varrem toda a superfície da pele,arran­cando a sua primeira camada, o que implica uma regeneração demorada) reside no facto de atuar em pequenas frações da pele, permitindo que o processo de cicatrização seja muito rá­pido (quatro a cinco dias).

Este tratamento é recomendado a pessoas com sinais de enve­lhecimento cutâneo, em particular rugas, mas também man­chas e flacidez. A energia emitida pelo laser é absorvida pela água presente na pele, aumentando a pressão intra-celular, o que resulta no preenchimento dos sulcos das rugas.

Adicionalmente, também atua nas restantes afeções deri­vadas do fotoenvelhecimento (manchas, lesões vasculares e couperose) e ajuda a melhorar cicatrizes e sequelas de acne. São necessárias entre duas a três sessões, cujo preço ronda os 750 € (rugas nasogenianas) e os 2.000 a 3.000 €
(ros­to completo), independentemente do número de sessões.

Texto: Fernanda Soares 

artigo do parceiro:

Comentários