Abdominais (mais) definidos para eles e para elas

São muitos os homens e as mulheres que gostavam de exibir uns, musculados e tonificados. O exercício físico é essencial mas a cirurgia plástica também pode ajudar. Saiba como!

Definir abdominais é uma aspiração tipicamente masculina mas conseguir uma barriga lisa e sem gordura é algo que as mulheres desejam cada vez mais. O objetivo é eliminar gordura e refirmar os músculos tornando-os mais definidos. O problema é que fazer abdominais no ginásio tonifica estes músculos mas não elimina nem reduz a camada de gordura que os reveste. Felizmente, a cirurgia plástica pode dar uma ajuda mais rápida e eficaz.

Para que consiga exibir o ventre que sempre quis ter, o cirurgião plástico Biscaia Fraga, diretor da Clínica Biscaia Fraga, em Lisboa, sugere uma técnica, ainda recente, que permite reduzir o volume do abdómen e, simultaneamente, redesenhar a zona abdominal. Primeiro surgiu no mercado a liposucção ultrassónica ou mais recentemente, a lipoescultura com laser.

Em que consiste?

Trata-se de uma liposucção assistida por ultrassons ou a laser que, ao delimitar bem as depressões e os relevos dos músculos da região abdominal, consegue definir os abdominais, ao mesmo tempo que elimina o excesso de gordura.

Como se faz?

O segredo consiste em retirar a gordura de forma criteriosa. «Vamos lipoaspirar tecido adiposo entre a parede muscular e a pele, de forma a definir as próprias fibras musculares do músculo, dando o aspeto de uma parede perfeitamente musculada», explica o cirurgião plástico Biscaia Fraga. Esta é uma técnica que «garante resultados muito bons», assegura.

A quem se destina?

«A liposucção nos abdominais tanto se adapta a homens como a mulheres, uma vez que, em ambos os casos, há uma acumulação localizada de tecido adiposo na parede abdominal», afirma Biscaia Fraga. No entanto, «é necessário que os músculos tenham tónus suficiente para se poder utilizar esta técnica. Quando o músculo está excessivamente flácido, distendido ou destruído, não é possível recorrer à liposucção», explica Biscaia Fraga.

Por exemplo, a técnica não se aplica nas mulheres que tiveram uma separação dos músculos após dois ou três partos. «Só conseguimos modelar o músculo quando este se encontra em condições, tornando-se delicado executar pelo risco cirúrgico, nas situações referidas, sendo os resultados infrutíferos», acrescenta o especialista.

Como se processa a intervenção?

O recurso a esta técnica exige uma série de procedimentos. «É realizado o estudo da anatomia da região a operar, nomeadamente hérnias, quistos, lesões musculares, estudo da espessura da gordura», indica Biscaia Fraga. De seguida, o cirurgião plástico mune-se de documentação fotográfica e fotométrica. A cirurgia implica anestesia tópica local, regional ou geral com sedação ou epidural, se a pessoa for muito ansiosa.

Tem a duração de cerca de uma hora. O processo não acaba, contudo, aqui. «É realizada uma infiltração anestésica e tumescente e colocado um penso compressivo na área tratada», refere Biscaia Fraga. «É uma técnica simples mas, como qualquer cirurgia estética, exige perícia, atenção e rigor», salienta o cirurgião plástico. «A técnica mais adequada para conseguir um bom relevo muscular neste tipo de liposucção é a liposucção utrassónica», diz.

«Mais recentemente, com a associação do laser», afiança ainda Biscaia Fraga. Os resultados conseguidos no final são surpreendentes. «A liposucção ultrassónica exige que haja uma grande diminuição do tecido adiposo. O laser utiliza uma cânula muito fina e a aspiração é seletiva, sendo utilizada sobretudo para pormenores com muita meticulosidade», explica o cirurgião plástico.

Veja na página seguinte: Como se processa o pós-operatório

Como se processa o pós-operatório?

Não são necessários muitos cuidados pós-operatórios, assegura o especialista. Algumas horas depois, o paciente pode logo voltar à sua vida normal. E, desde que não tenha atividades que impliquem grande esforço muscular, pode voltar ao seu dia a dia normalmente. O paciente deve usar uma contenção elástica no pós-operatório. É recomendável que o paciente se levante e caminhe de imediato.

É também normal que o paciente possa sentir alguma dor semelhante à dor muscular provocada por um treino de exercício físico. A intervenção não deixa cicatrizes de nenhum tipo e é possível apanhar sol imediatamente após o desaparecimento de hematomas. A partir dos 10 dias do pós-operatório, recomenda-se a realização de drenagem linfática manual ou pressoterapia, pois acelera a recuperação.

Como são os resultados obtidos?

São visíveis desde o primeiro momento. Só é conveniente utilizar uma contenção elástica durante os primeiros dias para acentuar a definição dos abdominais ao mesmo tempo que diminui a inflamação (três a quatro semanas, em média). Também existe a possibilidade de melhorar e destacar as costelas flutuantes desde que o paciente assim o deseje.

É importante realçar que esta técnica tem vindo a ser imitada por alguns «falsos cirurgiões plásticos» que vão distribuindo folhetos por ginásios, salas de musculação e clubes desportivos. «Existe muita publicidade fraudulenta de falsos cirurgiões plásticos a que se deve ter muita atenção», alerta mesmo Biscaia Fraga.

Texto: Cláudia Pinto com Biscaia Fraga (cirurgião plástico e diretor da Clínica Biscaia Fraga em Lisboa)

artigo do parceiro:

Comentários