8 truques que aceleram o metabolismo da pele

Mude de hábitos para revelar uma tez jovem e luminosa

À medida que os anos passam, os processos do nosso corpo tornam-se mais lentos. Consequentemente, há uma abrandamento no metabolismo celular que dá origem a uma pele flácida, com manchas e rugas.

«Tal acontece porque as células envelhecem, resultado de fatores genéticos e ambientais, como os raios ultravioleta e o tabaco», explica o dermatologista David Serra.

Este devir é acompanhado de alterações das funções celulares. Essas mudanças têm grandes repercussões na pele. Tal como revela este especialista, pode ocorrer «produção excessiva de proteínas que degradam a matriz extracelular, com perda gradual de cologénio, ácido hialurónico e elastina ou maior sensibilidade ao stress oxidativo por proteção deficiente contra os radicais livres».

Mas também pode ter origem numa «incapacidade do sistema imunitário em identificar os erros que acontecem na pele, permitindo que estes se acumulem e agravem», acrescenta este especialista. Contudo, a adoção de hábitos saudáveis pode acertar o ritmo do metabolismo cutâneo e fazê-la recuperar a juventude perdida. Estas são algumas das recomendações que deve seguir:

1. Encurte os duches

O contacto prolongado com a água tem um efeito negativo sobre o filme hidrolipídico, essencial para que a pele funcione como uma barreira contra o meio externo. É preciso ter em conta que, quer a água quente, quer o uso de produtos de limpeza, são fatores que contribuem para a remoção do filme hidrolipídico superficial. «Em pessoas com pele seca ou com uma barreira cutânea perturbada (sobretudo os atópicos), é fundamental reconstituir a barreira cutânea utilizando produtos adaptados, como cremes, bálsamos ou loções hidratantes, que devem ser aplicados após o banho», adverte o especialista.

2. Esqueça o tabaco

«O tabaco interfere na oxigenação dos tecidos em geral, e também da pele. Além disso, contém substâncias nocivas que aceleram o envelhecimento, nomeadamente por aumento dos radicais livres», refere o dermatologista. A pele do fumador é mais baça e sensível aos efeitos do fotoenvelhecimento, sendo mais vulnerável ao aparecimento de rugas, sobretudo à volta dos lábios, e a alterações pigmentares.

Mas há boas notícias. «Está cientificamente estabelecido que os riscos inerentes ao tabagismo reduzem de forma considerável a curto prazo. O ex-fumador apresenta ganhos importantes em saúde e bem-estar pouco tempo após deixar de fumar», lembra.

3. Combata os radicais livres

«Os radicais livres, que são muito reativos e atacam as membranas celulares, surgem naturalmente como consequência do metabolismo das células. Mas sabe-se que a radiação ultravioleta e as situações de stress metabólico, como a inflamação, aumentam a sua produção. Por isso, é importante o uso regular de proteção solar e o tratamento de doenças cutâneas inflamatórias (como as dermatites ou a rosácea) para manter a pele jovem e saudável», aconselha David Serra. Além disso, procure cosméticos ricos em antioxidantes, como vitamina C ou E, pois protegem a pele dos efeitos nefastos dos radicais livres.

4. Estimule a comunicação celular

Para preservar a comunicação entre as células, recorra a substâncias que preservem o bom funcionamento das hormonas ou do sistema imunitário, elementos-chave neste processo. David Serra aconselha incluir na rotina de beleza cremes ricos em ativos fotoprotetores (protegem as células dos efeitos nefastos dos raios ultravioleta e permitem o normal funcionamento do sistema imunitário, que garante que todas as estruturas defeituosas sejam substituídas), flavonoides, já que têm um efeito estrogénio-like e são úteis na menopausa por minimizarem a flacidez cutânea, e cálcio, mensageiro importante em inúmeras funções celulares e com propriedades antienvelhecimento.

5. Recorra a substâncias estimulantes

E se experimentasse usar cosméticos ricos em cafeína, algas ou ginkgo biloba para estimular o metabolismo celular? «Apesar de esta ainda ser uma área a explorar, o seu uso milenar dá-nos confiança, visto que não parecem ter riscos significativos quando usados com bom senso», conta. «O mecanismo de ação destes produtos naturais é muito variável e depende da composição química, pois podem envolver mecanismos antioxidantes, anti-inflamatórios, efeitos vasoativos (sobre a circulação sanguínea), sobre a proliferação celular, propriedades cicatrizantes ou regeneradoras, entre outros», diz.

6. Vá ao dermatologista

Para estimular o metabolismo da pele, David Serra aconselha a procura de tratamentos estéticos como peelings e mesoterapia. «Também a microdermoabrasão estimula a renovação da epiderme e parece ter efeitos positivos na derme, a nível da estimulação da produção de colagénio. Além disso, potencia a penetração e atuação dos princípios ativos dos cosméticos». Contudo, não é um tratamento indicado para todas as pessoas e, mal utilizado, pode ser prejudicial. O número de sessões varia de caso para caso e uma só sessão já é benéfica.

7. Siga uma dieta de beleza

Uma alimentação correta e equilibrada é um dos pilares fundamentais para uma pele jovem e saudável. Segundo o especialista, «todos os nutrientes contribuem para certas funções da pele e a carência de qualquer um deles, ou de vários em simultâneo, origina doenças cutâneas, por vezes graves. Os cabelos, as unhas e as mucosas são particularmente sensíveis aos erros alimentares ». Para uma pele saudável, aumente o consumo de frutas e vegetais frescos, particularmente daqueles ricos em vitamina B, betacarotenos e antioxidantes.

8. Mude de hábitos

Para além de todas as medidas mencionadas, o dermatologista sugere outras que pressupõem apenas pequenas mudanças nos hábitos quotidianos. Uma delas é o repouso adequado. «Um sono de qualidade é importante», diz. O bem-estar psíquico e emocional, a felicidade e a serenidade também têm um reflexo evidente no aspeto da pele. A par dos cosméticos e tratamentos estéticos sugeridos, «há mezinhas caseiras que parecem ajudar, tais como máscaras à base de frutas (com alfahidroxiácidos que estimulam a renovação celular e conferem uma tez mais luminosa), esfoliantes ou descongestionantes para olheiras», sublinha.

O que é o metabolismo cutâneo?

De acordo com David Serra, «o metabolismo da pele é um processo que inclui uma enorme quantidade de fenómenos, tais como produção de energia pelas células (essencial para a sua sobrevivência e funcionamento) e dos diferentes elementos que as constituem (em particular de proteínas), secreção de substâncias para o meio extracelular e comunicação entre as células».

O exercício ajuda?

O exercício físico é muito importante para a saúde e bem-estar geral, sobretudo pelos seus efeitos benéficos a nível cardiovascular, musculoesquelético e psicológico. Também tem repercussões positivas a nível hormonal e imunitário, e é importante para manter a linha. Apesar disso, segundo explica o dermatologista, «no caso particular da pele, não se reconhecem vantagens específicas, ou seja, benefícios para a pele que resultem de forma direta da prática de exercício». De qualquer forma, acrescenta que «o benefício é secundário aos efeitos nos outros órgãos».

Texto: Madalena Alçada Batista com David Serra (dermatologista)

artigo do parceiro:

Comentários