Gestão inteligente de convidados

Selecionar os convidados para um casamento pode ser o início de um problema “daqueles”. Há sempre pessoas a opinar: os noivos, os pais dos noivos (logo quatro pessoas a exercer uma pressão enorme) e mais um ou dois familiares a fazer ruído.

Porque não queremos que sofram na preparação do vosso casamento, elaborámos este memo com soluções à altura de cada uma das dificuldades:

. Convidar crianças: sim ou não?

É uma decisão pessoal que deve estar definida à partida. Se tiverem um “low budget” e se se deparam com 15 ou mais crianças entre os convidados, o melhor é pensar numa regra que defina que a vossa cerimónia não será adequada para o público infantil. Os convidados irão perceber. Não dê grandes explicações nem abertura para precedentes. É uma regra e ponto final. Se achar que a sua família vai ficar melindrada, abra uma exceção apenas para sobrinhos. Os restantes convidados irão perceber e irão ver a vossa festa como um momento de diversão a dois (coisa que não devem ter frequentemente).

. Os amigos dos nossos pais: o que fazer com eles?

Aqui está um grande dilema. É frequente os pais pagarem o casamento ou ajudarem a financiá-lo. E é também frequente quererem convidar todos os seus amigos, muitos deles desconhecidos do próprio casal. Aqui diz o bom senso que o melhor, à partida, é envolver os pais neste processo e com muita calma ir escolhendo os convidados, dando-lhes 1/3 dos lugares para gerir. Nada a fazer. Um dia vocês também serão pais e irão vingar-se da mesma forma.

. Trazer os colegas de trabalho para o casamento?

Aqui está outra decisão complicada. Apesar de passarmos grande parte do nosso tempo a trabalhar e a conviver com os nossos colegas – muitos deles tornam-se amigos mais próximos – não queremos obrigatoriamente que passem o dia de casamento connosco. Este é um campo sensível, na verdade podemos sentir-nos embaraçados ao convidar as nossas chefias ou a ter de escolher o colega A ou B. Se este for o seu caso, o melhor é explicar à partida que a cerimónia do seu casamento é apenas para amigos próximos e família. Assim ninguém se sentirá ofendido.

. Os amigos solteiros

Queremos tê-los no nosso casamento, são nossos amigos…mas muitas vezes não conhecemos o seu par. Será que vale a pena alargar o convite a duas pessoas quando os nossos amigos são solteiros? Mais uma vez a regra do bom senso impera. Se sabemos que o nosso amigo A ou B tem outros amigos em comum no casamento, estamos confortáveis para enviar um convite apenas com 1 lugar, se a situação for exatamente a oposta o convite deverá ser extensível a duas pessoas. Claro que este ponto se refere aos amigos solteiros sem namoradas/namorados fixos…são aqueles amigos que surgem nos jantares mensais ou sozinhos ou com namorados/as diferentes.

Quiosque do Ken

artigo do parceiro:

Comentários