Está grávida de 10 semanas – já só faltam 210 dias!

As mãos do bebé juntam-se agora sobre o coração.

O seu bebé já não é um embrião! Embora não tenha sequer o tamanho de uma ameixa — tem cerca de 3 cm, da cabeça até ao rabinho – e pese pouco mais de 5 gramas, já terminou a parte mais crítica do seu desenvolvimento. É o início do chamado período fetal, em que os tecidos e os órgãos do corpo crescem e amadurecem rapidamente. Os órgãos vitais – fígado, rins, intestinos, cérebro e pulmões – estão agora formados e começam a funcionar, embora prossigam o seu desenvolvimento ao longo de toda a gravidez. O fígado continua a produzir glóbulos sanguíneos e o saco vitelino, que fornecia anteriormente estas células, deixou de ser necessário e começa a desaparecer.

Durante as próximas três semanas, o comprimento do bebé irá passar para mais do dobro, para cerca de 7 centímetros. A cabeça é agora mais pequena em termos proporcionais do que há umas semanas atrás, mas continua a corresponder a metade do comprimento de todo corpo. A testa está temporariamente saliente devido ao cérebro em desenvolvimento e surge bem assente no topo da cabeça; mais tarde, irá recuar e conceder ao bebé um aspecto mais humano. A cada dia que passa, mais pequeníssimos detalhes começam a aparecer – incluindo minúsculas unhas nos dedos das mãos e dos pés e uma penugem tipo pêssego. Os dedos estão agora completamente separados; os braços flectem no cotovelo e encurvam-se ligeiramente; as mãos flectem na zona do pulso e juntam-se sobre o coração; as pernas estão a ficar mais longas; e os pés podem ser suficientemente compridos para se reunirem à frente do corpo. O bebé está plenamente ocupado a engolir líquido amniótico e a esticar as pernas.

Se pudesse espreitar o bebé esta semana, veria claramente o contorno da coluna vertebral através da finíssima pele. Os nervos espinais começam a distender-se e a separar-se da espinal medula.

É mesmo verdade:

Numa sondagem efectuada pelo BabyCenter, 40 por cento das mulheres afirmaram ter desejos por doces, ao passo que 35 por cento ansiavam por alimentos salgados.

artigo do parceiro:

Comentários