Casamento e filhos

Os erros que deve evitar

Os filhos são o motor do desafio mais importante na vida de um casal.

 

O amor e a confiança mantém-se depois do casamento e do seu nascimento mas a vida, essa, dá uma volta de 180 graus, sobretudo a partir do momento da gravidez.

«Nessa altura, há uma transformação na intimidade do casal. A mulher centra-se mais nela própria, é colocada no centro das atenções pela família», explica a mediadora familiar Margarida Vieitez. «E, muitas vezes, o homem não sabe qual é o seu papel na história», acrescenta ainda esta especialista. Após o nascimento, esta sensação acentua-se.

A mãe dedica-se à criança e o pai sente falta do tempo a dois mas não o reclama, sob pena de ser considerado egoísta. Participação é a palavra-chave. Há que incluir o pai nos rituais de cuidados do filho e, sobretudo, não esquecer que antes de três, eram apenas dois e esses dois continuam lá. A precisar de carinho também.

O poder da palavra

Na mesa de restaurante, um homem e uma mulher jantam, pagam a conta e saem. Um ao lado do outro, sem trocar uma palavra. Este é um mero exemplo que ilustra um casamento em perigo. Não há diálogo e, quando tal sucede num casamento, os filhos também acabam por ser afetados. «Uma das dificuldades do casal é a comunicação», alerta Margarida Vieitez, «comunicam tanto durante o namoro, mas depois pensam que o outro lê o pensamento e deixam de falar».

O silêncio instala-se e, com ele, a incompreensão. Por melhor que se conheça o outro, o casamento não dá poderes de vidente. É preciso continuar a expressar os desejos, gostos, interesses, envolvendo também os filhos nessas partilhas. Na opinião de João Lima, «há que estar atento às alterações que cada um vai sentindo e 
discuti-las com o parceiro. O silêncio sobre o que se pensa e o que se sente leva ao isolamento e a situações imprevisíveis».

Comentários