Três em cada dez crianças com menos de quatro anos tem problemas de sono

Entre 25% a 30% das crianças com menos de 4 anos de idade têm algum tipo de problema de sono e cerca de 10% das crianças em idade escolar são afetadas por perturbações de sono. Um workshop gratuito ajuda-o a lidar com este problema.
créditos: CC

O sono tem uma importância vital no desenvolvimento da criança. Os últimos dados estimam que entre 25% a 30% das crianças com menos de 4 anos de idade têm algum tipo de problema de sono e cerca de 10% das crianças em idade escolar são afetadas por perturbações de sono que, apesar de transitórias e benignas na maior parte dos casos, provocam grande ansiedade e preocupação nos pais.

Para alertar para o problema e esclarecer todas as dúvidas dos pais, avós, professores e outros cuidadores responsáveis por crianças, o Grupo Trofa Saúde organiza, no próximo sábado, dia 8 de novembro, entre as 10h00 e as 12h00, no Hospital Privado da Boa Nova (em Matosinhos), um workshop gratuito de pediatria “Birras e Perturbações do sono”.

No evento, serão abordadas questões como as rotinas, problemas e higiene associadas ao sono. Especialistas em pediatria e psicologia infantil vão ainda esclarecer os presentes sobre o motivo das “birras” e forma de gestão dos comportamentos no momento de ir dormir.

“Os pais e educadores tendem a preocupar-se sobre quando e quanto tempo a criança dorme. No entanto, os processos biológicos como a temperatura do corpo, a digestão e o sono variam de acordo com um relógio interior. A melhor forma de prevenir as perturbações no sono é criar padrões saudáveis e ensinar à criança, desde pequena que, por exemplo, o berço é o espaço de dormir e não de brincar”, salienta a  oana Monteiro, Pediatra do Hospital Privado da Boa Nova.

O workshop é gratuito e todos os presentes recebem um certificado de participação. Os interessados devem inscrever-se através do e-mail info@hpbn.pt , indicando os seus dados pessoais, pelo telefone 229 980 900 ou nas receções das várias unidades do Grupo Trofa Saúde.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários