Supremo Tribunal de Israel a favor da barriga de aluguer para gays

O Tribunal Supremo israelita mostrou-se a favor da barriga de aluguer para casais homossexuais, dando aos ativistas a esperança de modificar a lei atual, que reserva esse direito apenas aos casais heterossexuais.
créditos: AFP

A decisão final do Tribunal foi adiada, no entanto, para daqui a seis meses.

Em Tribunal, o vice-presidente do Supremo, Salim Jubran, disse que já era hora de "ampliar o acesso à maternidade por substituição em Israel a outros grupos familiares", segundo documentos consultados pela agência France Presse.

"Parece-me difícil continuar numa situação que impede que as pessoas solteiras e os casais homossexuais tenham acesso ao seu direito de ser pais", declarou.

"Eu mesmo não vejo justiça no facto de preferir pais heterossexuais a pais do mesmo sexo", acrescentou, na quinta-feira, no mesmo dia em que milhares de pessoas participavam no desfile do Orgulho Gay em Jerusalém, uma cidade de tradição conservadora, sob fortes medidas de segurança.

Jubran adiou a decisão final do Supremo para dar ao Parlamento tempo para debater um texto sobre a barriga de aluguer. Atualmente, esse texto, que ainda deverá passar por uma segunda e uma terceira leituras, continua a negar aos casais homossexuais e a gays solteiros o direito de recorrer a uma barriga de aluguer.

O texto contempla, no entanto, esse recurso para as mulheres solteiras, contanto que a mãe portadora esteja vinculada geneticamente à mulher doadora.

Veja ainda: As imagens de um casamento gay que é um autêntico conto de fadas

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários