#ShoutYourAbortion: O movimento que pretende acabar com o estigma do aborto

Duas ativistas americanas incendiaram as redes sociais no fim de semana passado ao incentivarem os seus seguidores a falar abertamente sobre o tema do aborto. Mais de 88 mil mulheres de todo o mundo juntaram-se à discussão.

Lindy West e Amelia Bonow, duas ativistas americanas, incendiaram as redes sociais no fim de semana passado ao incentivarem os seus seguidores a partilhar um dos momentos mais marcantes das suas vidas: o dia em que fizeram um aborto. O movimento #ShoutYourAbortion surgiu após a Câmara dos Deputados, nos Estados Unidos, ter votado uma medida que pretende acabar com o financiamento da clínica Planned Parenthood.

“Muitas pessoas ainda acreditam que – se és uma boa mulher – o aborto é uma escolha que deve vir sempre acompanhado de tristeza, vergonha ou arrependimento. Mas sabem que mais? Eu tenho um bom coração e o facto de ter abortado tornou-me feliz. Porque é que não ficaria feliz por não ter sido forçada a ser mãe?”, partilhou Amelia Bonow no Facebook. Já Lindy revelou que não se arrepende de ter abortado aos 10 anos. “A carreira que construí a partir daí preenche-me e tornou-me apta a tomar melhor conta dos meus filhos”.

Apesar de ser um tema bastante delicado e que muitas mulheres preferem esconder, Lindy e Amelia explicaram que o seu objetivo era acabar com o preconceito e tabu que ainda existe em torno do aborto. Assim, encorajaram milhares de mulheres a partilhar a sua história através da hashtag #ShoutYourAbortion e o resultado foi um fenómeno que dominou as redes sociais. Mais de 88 mil mulheres de todo o mundo discutiram sobre o tema.

“Fiz três abortos e desde os 14 anos que sempre senti vergonha. Agora tenho 43. A minha vergonha e o meu silêncio terminam hoje”, “Abortei em 2008. Salvou-me a vida e permitiu-se escapar a uma relação abusiva” e “Estamos em 2015. As mulheres deveriam falar abertamente deste procedimento médico sem ser chamadas de bárbaras ou egoístas” foram alguns dos comentários que se podiam ler no Twitter.

Mas o assunto também gerou alguma controvérsia, com alguns internautas a mostrarem a sua indignação perante a discussão aberta que se gerou.

“Apesar da nossa posição sobre o aborto, porque é que não podemos concordar que é algo que não nos devemos gabar?” e “Como criança adotada, sinto-me triste e revoltada que #ShoutYourAbortion seja um tema de discussão” foram outros dos comentários.

Recorde-se que em 2014 o número de abortos em Portugal voltou a diminuir pelo terceiro ano consecutivo. Ao todo foram registadas menos 1692 interrupções de gravidez, o que se traduz em menos 9,3% face a 2013.

Comentários