Será que Kate Middleton teve um parto na água?

Com o nascimento real, todos se questionam se Kate terá dado à luz numa piscina preparada para o parto.

O modo como um pai e uma mãe desejam viver o nascimento de um filho não corresponde a um padrão, e depende da evolução da gravidez e do trabalho de parto. Os partos dentro de água proporcionam uma experiência única a quem os vivencia. De acordo com fontes britânicas, terá sido este o tipo de parto que trouxe ao mundo o príncipe George, filho de William e Kate.

 

Em Portugal, todas as grávidas com idade gestacional superior a 37 semanas, em fase ativa de trabalho de parto, com gravidez de baixo risco, podem optar pelo parto com água em algumas instituições hospitalares públicas e privadas.

 

O parto na água, num hospital, é da responsabilidade de uma equipa multidisciplinar da urgência ginecológica e obstétrica/bloco de partos e é um modelo assistencial que favorece o atendimento das necessidades e expetativas das futuras mãe e o respeito pelos seus direitos.

 

Os objetivos do parto na água são:

• Promover o parto natural

• Recuperar a posição central da mulher no processo de nascimento

• Diminuir a instrumentalização e mediatização do parto

 

Para os profissionais de saúde que realizam partos com água, o nascimento deve ser encarado como um processo normal, natural e a cada mulher deve ser dada a oportunidade de experimentar um parto saudável e gratificante, independentemente da sua idade e das circunstâncias.

 

Ou seja, «deve parir segundo os seus desejos, num ambiente em que se sinta segura, cuidada e em que seja respeitado o seu bem-estar, a sua intimidade e as suas preferências pessoais», salienta uma enfermeira de obstetríciado Hospital de São Bernardo, em Setúbal.

 

A imersão na água, durante o trabalho de parto é um tipo de parto natural com excelentes resultados no alívio da dor em mulheres saudáveis com gravidez de baixo risco.

 

Os benefícios da imersão na água durante o trabalho de parto, são relevantes, nomeadamente, o efeito relaxante que reduz a dor provocada pelas contrações uterinas e descontrai a musculatura do períneo. Além disso, diminuiu a necessidade de analgesia farmacológica e proporciona um trabalho de parto mais curto.

 

 

Leia também:

Parto na água

Preparar o parto

artigo do parceiro:

Comentários