Remoção de amianto de escolas em maior risco ficará resolvido no verão, garante ministro

147 escolas foram intervencionistas no último ano

O ministro da Educação disse hoje estar confiante em concluir até setembro a remoção de amianto nas escolas em maior risco, devendo a lista dos estabelecimentos com aquele material na construção ser tornada pública até ao final do mês.

 

"Esperamos este verão conseguir resolver grande parte dos problemas, senão a totalidade", afirmou hoje à agência Lusa Nuno Crato, à margem de uma cimeira internacional sobre reformas na educação, em Londres.

 

O ministro disse que continua a ser feita uma avaliação sobre a existência de amianto nas escolas e que nos "casos clarificados" o Governo já está a proceder à remoção, chamando a atenção para a existência de diferentes graus de gravidade.

 

"Uma coisa é ter amianto, outra coisa é ter amianto em estado de degradação que seja perigoso para a saúde. O amianto existe em muitos edifícios públicos, encapsulado e protegido, sem qualquer problema para a saúde. O que nos preocupa são as coberturas em degradação, em que o cimento se esfarela e pode libertar pó ou fibras de amianto", vincou.

 

Embora sem precisar uma data, Nuno Crato garantiu que a lista das escolas com amianto na construção "será tornada pública", aludindo ao compromisso, assumido pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, de divulgar uma listagem com todos os imóveis referenciados como passíveis de conter amianto até ao final de julho.

 

Uma diretiva da União Europeia de 2005 proibiu o uso do amianto por este ser "altamente tóxico e que pode provocar cancro pulmonar, quando inalado continuamente" e a Lei n.º 2/2011 atribuiu ao Governo a responsabilidade de "efetuar o levantamento de edifícios, instalações e equipamentos públicos com amianto, e posteriormente elaborar uma listagem com essa informação, bem como calendarizar a monitorização das ações corretivas, estabelecer as regras de segurança, e a obrigatoriedade".

 

Essa tarefa tinha um prazo que terminou a 14 de fevereiro de 2012, tendo levado a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) a iniciar um processo judicial para forçar o Ministério da Educação a divulgar a lista em elaboração das escolas que contêm amianto na construção.

 

No início do mês, o Ministério da Educação anunciou que realizou intervenções em 147 escolas no último ano, algumas de forma parcial, e que tenciona avançar com obras em mais 150 estabelecimentos no verão, no sentido de substituir materiais degradados que contêm amianto.

 

Por Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários