OCDE fala em mudança geracional. Alunos portugueses procuram cada vez mais cursos científicos

As áreas científicas, tecnológicas, de engenharia e matemática atraem cada vez mais estudantes no ensino superior, refere um relatório da OCDE hoje divulgado, que considera que “Portugal está a viver uma mudança geracional” nas escolhas de áreas de estudo.

As áreas de engenharia, indústria e construção são aquelas que melhor representam o salto geracional em termos de escolha de áreas de estudo, aponta o relatório ‘Education at a Glance 2017’ da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), dedicado a analisar o estado da educação nos países parceiros.

“Enquanto há apenas 15% de diplomados em engenharia, indústria e construção com idades entre os 25 e os 64 anos, esta área representou a que mais graduados formou em 2015 no ensino superior (21%, que comparam com uma média de 14% na OCDE)”, refere o relatório.

O documento acrescenta que nas áreas de saúde, cuidados e bem-estar, que também atraem cada vez mais alunos portugueses, há uma percentagem total de diplomados de 14%, mas em 2015 foi responsável por 19% dos diplomados no ensino superior.

Leia também: Portugal tem o maior abandono escolar no secundário da OCDE, mas o ensino profissional veio ajudar

“Em 2015, 28% dos diplomados pelo ensino superior em Portugal graduaram-se em áreas científicas, tecnológicas, de engenharia e matemática [designadas pela sigla STEM], acima da média da OCDE de 23%”, aponta o relatório.

Por outro lado, “apenas 1% dos estudantes obteve um diploma em tecnologias de informação e comunicação (TIC), uma das percentagens mais baixas de todos os países da OCDE”, sendo que a média da OCDE é de 4%.

Desigualdade de género menor em Portugal

A OCDE destaca ainda que a desigualdade de género que geralmente está patente nestas áreas de estudo – que atraem mais homens do que mulheres – é menos pronunciada em Portugal, onde as percentagens de mulheres a frequentar cursos superiores nestes cursos é superior à média dos países parceiros da organização.

A OCDE fez ainda contas ao investimento público no ensino superior entre 2010 e 2014, os anos da crise económica e da intervenção externa da ‘troika’, destacando que houve uma quebra de 9% na despesa com o ensino superior público.

“Como o número de alunos no ensino superior também caiu nesse período, a quebra na despesa por aluno fixou-se nos 3%, mas contrariando um crescimento médio de 6% nos países da OCDE”, aponta o relatório.

Comentários