Piolhos afetam mais de um terço das crianças no verão

Os piolhos não escolhem cabeças. Mais ou menos limpas, louras ou morenas, fartas ou mais ralas, todas atraem piolhos e lêndeas que estragam o verão das crianças e pais sobretudo quando teimam em sobreviver aos tratamentos mais comuns.
créditos: PixaBay

Chamado pelos especialistas de pediculose e considerada uma doença, o ataque dos piolhos é mais frequente no verão, chegando a atingir 37% das crianças em idade pré-escolar e escolar.

"Está já hoje provado que os piolhos preferem os ambientes húmidos e quentes, e por isso, esta época é
ideal para a sua propagação", comenta Tiago Westenfeld da Clínica do Piolho.

O piolho necessita apenas de uma superfície com cabelo para sobreviver, e é mais frequente nas meninas,
que mais facilmente partilham objetos como pentes e chapéus e mantêm maior proximidade física nas
brincadeiras.

"Mas é possível viver livre destes incómodos parasitas bastando, para isso, verificar regularmente as
cabeças, usar cabelos presos, evitar a partilha de escovas, pentes e chapéus e incentivar o uso de toucas
de banho nas piscinas", acrescenta Tiago Westenfeld.

Eliminá-los também não é uma tarefa impossível, desde que o tratamento seja o correto.

A Clínica do Piolho é uma opção para erradicar este problema de uma forma cómoda, segura e natural, explica o especialista. Cada tratamento é composto por apenas uma sessão, que garante a total eliminação de piolhos e sobretudo de lêndeas, e não recorre ao uso de pesticidas nem de outros produtos químicos.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários