Músicos portugueses levam o fado às crianças

O fadista Rodrigo Costa Félix e o poeta Tiago Torres da Silva editam o “Brincar aos fados”, destinado ao imaginário ao infantil, projeto que o musicólogo Rui Vieira Nery considera uma “originalidade”.

“A proposta de Tiago Torres da Silva e Rodrigo Costa Félix, neste álbum, é profundamente original", salientou à Lusa Vieira Nery, para acrescentar em seguida: “Trata-se, nada mais, nada menos, do que propor um Fado cuja lírica possa ser capaz de entrar no imaginário infantil e de assim se tornar, também ele, veículo de perguntas e de sonhos, de jogos e de brincadeiras, de curiosidades e de aprendizagens”.

O CD é constituído por 12 fados, todos com letras originais de Tiago Torres da Silva, interpretados em melodias tradicionais como os Fados Três Bairros, Menor, Corrido, Ginguinha ou Seixal.

“As melodias são as do próprio tronco fundamental do género, desde o Menor e o Mouraria, aos grandes fados de quadras, quintilhas e sextilhas de Alfredo Marceneiro, de Armando Machado, dos irmãos Miguel e Casimiro Ramos e de outros ainda, que ficaram como pilares da tradição fadista da primeira metade do século XX”, realçou Nery, autor da obra “Para uma História do Fado”.

Além de Rodrigo Costa Félix, que canta no Fado Menor, “O Pai de Todos os Fados”, o CD, editado com o apoio do Museu do Fado e da Sociedade Portuguesa de Autores, conta com as participações de Camané, Joana Amendoeira, Cristina Branco, Ricardo Ribeiro e Katia Guerreiro, entre outros.

“As vozes, a começar pela presença matriarcal de Celeste Rodrigues [de 91 anos] - para termos bem a noção de que estamos a falar de um património que está sempre em mudança mas também se passa como um tesouro de geração em geração - são as de uma dúzia de nomes que marcaram, todos eles, lugares próprios no panorama contemporâneo do Fado”, atesta Nery. 

Comentários