Ministro diz que se criou o mito que as aulas iam começar mais tarde

O ministro da Educação declarou esta quarta-feira que se criou um mito de que as aulas começam este ano letivo uma semana mais tarde, o que disse não corresponder à verdade.

“Criou-se um mito que as aulas iam começar uma semana mais tarde, não é verdade. O período de abertura do ano letivo está atrasado no calendário dois dias úteis em relação ao ano passado, portanto não estamos a falar de uma semana”, afirmou Nuno Crato.

O governante falava aos jornalistas em Pombal, distrito de Leiria, no âmbito de uma visita a quatro escolas do concelho.

“O nosso objetivo foi que houvesse um maior equilíbrio entre os períodos letivos e o que eu vejo por todo o país é que há um conjunto de escolas que começaram antes da abertura oficial do ano letivo e um conjunto de escolas que estão a começá-las hoje, outras estão a planear começar amanhã[quinta-feira]”, adiantou.

Para o ministro, “as aulas estão a começar atempadamente em todo o país”, mas admite haver “uma folga”, cabendo aos diretores e às escolas, no âmbito da sua autonomia, “definirem a data exata que mais convenha” e tal “não tem nada a ver” com eleições.

Escolas optam por abrir portas mais tarde

O início do ano letivo começou oficialmente a partir de terça-feira, embora a maior parte das escolas opte por abrir portas mais tarde, tendo até segunda-feira da próxima semana para o fazer.

O Ministério da Educação definiu o calendário escolar e dando liberdade para escolher o início das aulas entre os dias 15 e 21.

Comentários