Ministro da Educação rejeita desinvestimento no ensino artístico

O ministro da Educação e Ciência rejeitou haver um desinvestimento no ensino artístico, assinalando que os recursos são os mesmos do ano transato. Professores, alunos e encarregados de educação manifestam-se na sexta-feira.

(FOTO DE ARQUIVO)

créditos: LUSA

“Não, não há desinvestimento nenhum no ensino artístico”, afirmou Nuno Crato, no final de uma visita à Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Pombal, no distrito de Leiria.

Segundo o Governo, o ministério alocou “recursos para o ensino artístico este ano que são exatamente os mesmos deslocados o ano passado”. “Ou seja, nós alocámos 55 milhões de euros ao ensino artístico, exatamente como no ano passado”, afirmou Nuno Crato.

Nova manifestação

Professores, diretores escolares, alunos e encarregados de educação vão manifestar-se em frente ao Ministério da Educação contra as verbas atribuídas às escolas de ensino artístico que, dizem, obrigam a retirar das turmas milhares de crianças que já estavam inscritas.

A decisão de realizar uma manifestação na próxima sexta-feira surge depois de as escolas de ensino artístico especializado terem tido conhecimento dos valores que iriam receber do Ministério da Educação e Ciência para garantir a oferta de ensino da música e da dança aos alunos das escolas públicas.

A tutela garante que as verbas atribuídas este ano serão semelhantes às do ano passado (55 milhões de euros), mas os diretores das escolas falam em cortes de financiamento e já começaram a avisar muitos encarregados de educação de que os seus filhos iriam ser retirados das turmas em que estavam inscritos.

Segundo um levantamento feito pela Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo junto de 30% das escolas, há menos 2.519 alunos apoiados em relação ao ano passado.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários