Mães recentes demoram 4 meses e 23 dias para se acostumarem à nova rotina

A chegada de um bebé traz insegurança e dúvida. Saiba por que isso acontece.

De quanto tempo a mulher precisa para se acostumar à vida de mãe? De acordo com a investigação organizada por uma marca americana de produtos infantis, são necessários 4 meses e 23 dias para se adaptar ao novo estilo de vida. A chegada do bebé irá alterar a rotina da família, mas após esse período a nova mãe vai lidar com a situação mais tranquilamente. Se está grávida e quer saber se é normal as inseguranças que surgem durante esse período, fique tranquila. No estudo, 60 por cento das 2 mil entrevistadas no Reino Unido consideraram, a princípio, que não seriam capazes de ser boas mães.

 

«Como vai ser essa experiência? Será que vou ser capaz de educar uma criança? E se eu não conseguir cumprir o meu papel?» É natural que estas questões passem pela cabeça da futura mãe. «Ter preocupação, euforia e ansiedade em torno deste momento é saudável. Afinal, começa a surgir a consciência de que a pessoa assumirá o papel de pai ou de mãe», explica a psicóloga Soraia Avis. A responsabilidade de criar um filho e de lhe proporcionar bem-estar causa alguma inquietação. Dar amor, impor limites e estar disponível para a criança são desafios que costumam assustar, a princípio. Na pesquisa, 50 por cento das mulheres ficaram nervosas com a notícia de que seriam mães e 25 por cento se amedrontaram diante da novidade.

 

E não são só as mães que ficam inseguras: os homens também temem não conseguir cumprir o papel de pai. Querem saber dar colo e banho, mudar a fralda ao bebé e amparar a mãe da criança. «Há uma mudança neuro-hormonal que justifica essa insegurança. O cortisol, uma hormona associada ao stresse, e a adrenalina, que causa o medo, são libertados nesta situação [da descoberta de que vai ser pai]», esclarece Ricardo Moniz, investigador comportamental. No estudo da empresa americana, 20 das mães sentiram que os seus parceiros se acostumaram mais rapidamente à nova rotina.

.

.

Comentários